“Ele tirou tudo que eu tinha”, diz sobrevivente de batida provocada por motorista embriagado na BR-470

Publicidade

Foto: Arquivo pessoal

Aos 50 anos de idade, Angela Mara da Silva Schafer passou por uma grande reviravolta. A operadora de caixa de um posto de combustíveis de Blumenau teve que se afastar do trabalho para tratamento de saúde e chegou a mudar de cidade para ficar perto das filhas, pois depende da ajuda dos parentes para fazer as tarefas mais simples do dia a dia, como levantar da cama, preparar as refeições, ir ao banheiro. A mulher é uma das sobreviventes de um grave acidente de trânsito registrado há pouco mais de quatro meses, na BR-470, em Navegantes.

A batida ocorreu no dia 30 de junho de 2019, no quilômetro 2 da rodovia. O carro onde Angela estava com a família, um Cherry QQ, foi atingido por um Fox conduzido por um motorista embriagado. O marido dela, Valdomiro Tavares de Oliveira, de 66 anos, e a sogra, Eugenia Alves de Oliveira, de 96 anos, morreram na hora. Eles moravam no bairro Nova Esperança, em Blumenau, mas tinham ido ao litoral visitar um primo. Como sabiam que teriam que pegar a estrada, ninguém bebeu. Não foi suficiente. No meio do caminho, aconteceu a tragédia.

Angela, que estava no banco da frente, ao lado do marido que dirigia o veículo, sofreu vários ferimentos. Ela ficou 15 dias internada no Hospital Marieta Konder Bornhausen, em Itajaí, e ficou paraplégica, por conta das fraturas provocadas pela colisão. Outras duas mulheres que estavam no banco de trás do automóvel, que são irmãs de Valdomiro, também ficaram feridas. As idosas ainda sofrem as consequências até hoje. “Arrancaram tudo de mim: minha casa, meu esposo, minha sogra, meu trabalho”, disse Angela à equipe do Portal Alexandre José.  

Atualmente, Angela mora na cidade de Cruz Alta, no Rio Grande do Sul, onde vivem as duas filhas e a mãe de 70 anos. São elas que auxiliam no tratamento e recuperação da paciente. Sem falar nos gastos com medicamentos, consultas médicas, sessões de fisioterapia e até a ambulância particular que foi contratada para fazer o transporte da mulher de Santa Catarina para o estado gaúcho. “O causador do acidente continua seguindo sua vida normalmente, apenas pagou fiança e seguiu como se nada tivesse acontecido. Não aparenta nem um pouquinho de arrependimento” desabafou.

Motorista embriagado

O motorista do Fox com placas de Itajaí, que provocou o acidente na BR-470 em Navegantes, que resultou na morte de mãe e filho, está solto. Em audiência de custódia no dia seguinte, no Fórum da Comarca de Itajaí, a Justiça condicionou a liberdade de Jean Pierre Packer, de 43 anos, ao cumprimento de medidas cautelares e ao pagamento de fiança. Segundo a Polícia Rodoviária Federal (PRF), o teste de alcoolemia realizado pelo condutor acusou 0,78 mg/l – índice criminal.

Na decisão, o juiz responsável pela audiência permitiu a liberação do homem para responder ao processo em liberdade, desde que ele comparecesse todo mês em juízo para informar e justificar suas atividades, sempre no primeiro dia de cada mês. Ele também ficou proibido de se ausentar da cidade onde reside, por mais de sete dias sem autorização judicial.

O magistrado ainda determinou fiança no valor de dez salários mínimos. A família pagou cerca de R$ 9.500 dentro do prazo estipulado e Jean saiu da prisão. Ele trabalha como caminhoneiro e segue atuando como motorista de caminhão, já que não teve o direito de dirigir suspenso. Em entrevista ao Portal Alexandre José, o advogado do acusado, Guilherme Aleandro Campestrini, disse que seu cliente ainda não foi citado oficialmente em nenhuma ação indenizatória, mas que está aberto à negociação.

O motorista do Fox trabalha como caminhoneiro. Fotos: Arquivo pessoal

PUBLICIDADE

 

Seja o primeiro a comentar

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: