InícioSanta CatarinaJustiça condena empresários e fiscais por entrada de carne bovina não inspecionada...

Justiça condena empresários e fiscais por entrada de carne bovina não inspecionada em Santa Catarina

A 1ª Vara da Fazenda Pública da comarca de Chapecó condenou dois empresários, que eram sócios de um comércio de carnes, 12 fiscais da Companhia Integrada de Desenvolvimento Agrícola de Santa Catarina (Cidasc) e mais um agente sanitário da Empresa Paranaense de Classificação de Produtos (Claspar), por envolvimento em um esquema para introduzir carne bovina de origem proibida em solo catarinense.

Foram aproximadamente 50 caminhões que trouxeram carne do Mato Grosso do Sul, Minas Gerais, Paraná e São Paulo entre os anos de 2006 e 2007. De acordo com a denúncia, os caminhões utilizados para o transporte pertenciam aos empresários. Eram eles mesmos que compravam as cargas de carne de origem proibida em Santa Catarina.

Os fiscais sanitários recebiam, dos mesmos empresários, valores entre R$ 200 e R$ 800 por carga para que deixassem de praticar ato de ofício consistente na efetiva e regular fiscalização do trânsito de produtos de origem animal. Os servidores eram responsáveis pela fiscalização das cargas nos postos de fiscalização dos municípios de Abelardo Luz, São Lourenço do Oeste, Palma Sola e Paraíso, todos no Oeste catarinense.

Com a quebra de sigilo telefônico foi possível comprovar a dinâmica dos crimes. O transporte de produto de origem bovina ocorria com notas fiscais de carne de frango, as quais eram apresentadas aos fiscais integrantes da organização criminosa para receber o carimbo pela passagem no posto de fiscalização e não gerar desconfiança a outros fiscais. Algumas vezes, os agentes nem pegavam a segunda via da nota fiscal ou sequer carimbavam a via.

• Clique aqui e faça parte do nosso grupo de notícias no WhatsApp

Segundo testemunhas, os caminhões com a carga ilegal eram descarregados durante a madrugada para atrapalhar a fiscalização. A comunicação era feita por mensagens ou ligações via celular. A liberação das cargas era negociada por meio de código, com o uso das palavras “futebol” ou “basquete”. O aviso acerca da passagem do caminhão era de que “teria jogo” e se passava um caminhão “1×0”, se dois caminhões “2×0”. As prisões foram resultado da Operação Tributo.

A sentença

Todos os envolvidos foram condenados por ato de improbidade administrativa que resultou em enriquecimento ilícito. Os 14 homens e uma mulher tiveram decretada a perda de bens e valores acrescidos ilicitamente ao patrimônio, em quantias variáveis entre R$ 1.000 – recebido por um dos fiscais – e R$ 54.250 pertencentes ao empresário que coordenava o grupo. O montante é de R$ 106.500,00 acumulados entre as 15 pessoas.

Além de devolver o dinheiro, cada um terá que pagar o mesmo valor recebido ilicitamente como multa, corrigido em 12% ao ano a partir de 1º de maio de 2009, conforme prevê a legislação. Os fiscais ainda tiveram a suspensão dos direitos políticos por oito anos e os empresários foram proibidos de contratar, receber benefícios ou incentivos fiscais do Poder Público por dez anos.

Leia mais notícias de Blumenau e região

Carro capota na Rua Bahia em Blumenau; motoristas relatam lentidão no trânsito

Após sete meses internado, paciente tem alta e recebe homenagem no Hospital Santa Isabel, em Blumenau

Após anúncio de redução, Procon de Blumenau fiscaliza postos de combustíveis da cidade

Notícias relacionadas

Deixe uma resposta

Últimas notícias

error: Toda e qualquer cópia do Portal Alexandre José precisa ser creditada ao ser reproduzida. Entre em contato com a nossa equipe para mais informações pelo e-mail jornalismo@alexandrejose.com
%d blogueiros gostam disto: