InícioGeralTrânsito: o risco de crianças brincando sozinhas no carro, por Márcia Pontes

Trânsito: o risco de crianças brincando sozinhas no carro, por Márcia Pontes

“Criança cega a gente” é um dito popular bem conhecido dos adultos. Não pode piscar um olho que os pequenos já aprontam. Gostam muito dos carrinhos de brinquedo, mas se tiver um carro de verdade por perto a curiosidade pode aumentar e um minuto de bobeira pode virar uma tragédia. A coluna de hoje repercute os casos de acidentes com crianças, aborda esse tipo de curiosidade infantil e orienta os adultos quanto aos cuidados necessários.

• Clique aqui e faça parte do nosso grupo de notícias no WhatsApp

Osvaldo tem 48 anos hoje, mas nunca esqueceu do dia em que o portão de cada evitou o pior. Ele tinha 7 anos quando abriu a porta do carro, foi brincar de dirigir e abaixou o freio de mão. O carro foi descendo e só parou quando bateu no portão. Até hoje ele lembra do desespero dos pais e dos vizinhos.

Momento de susto e desespero semelhante foi noticiado aqui no Portal Alexandre José quando um garoto de 6 anos entrou no carro, ligou e acelerou prensando a mão da mãe contra a parede.

Se os próprios adultos acabam se envolvendo em acidentes com o carro desligado e freio de mão mal puxado ou sem puxar, imaginem as crianças!

Carrinho só de brinquedo

Criança só brinca em carrinho de brinquedo. Devem ser mantidas longe do carro de verdade e isso é algo que precisa ser construído com eles junto com os pais. Mesmo quando os pais estão limpando ou aspirando o carro a criança não deve ficar dentro.

Estamos falando de uma caixa de lata gigante que pesa no mínimo 1 tonelada e que tem pedal de acelerador. Qualquer descuido vira acidente na certa! Nunca deixe crianças sozinhas dentro de um carro mesmo com freio de mão puxado e sem as chaves.

Eles conseguem sim

Para quem pensa que criança não consegue ligar um carro, abaixar um freio de mão e acelerar está enganado. São pequenos, mas curiosos. Costumam observar tudo o que o adulto faz e os imitam com perfeição.

Mesmo com o freio de mão puxado se o carro foi guardado na garagem bem próximo a uma parece na hora em que a criança liga o carro o solavanco é suficiente para que o veículo seja lançado alguns centímetros para a frente e acerte a parede. Se o equipamento estiver desregulado fazendo mais de 4 cliques ao ser acionado o estrago pode ser maior.

Criança que tem curiosidade por carros mexe em tudo e acaba dando um jeito de acionar o botão que abaixa o freio de mão. Por mais que não tenham a altura e a ergonomia de um adulto para alcançar os pedais as crianças se contorcem, escorregam o corpo pelo banco até que os pés encostem no acelerador e se o carro estiver ligado é desgraça na certa.

De tanto observarem os pais ligarem e desligarem o carro elas fazem igual associando ao ato de abrir e fechar uma porta girando a chave. Os movimentos que a criança faz quando entra sorrateiramente em um carro não são os mesmos de um motorista para dirigir, mas já é suficiente para algo dar muito errado.

Mesmo com carro desligado elas conseguem mexer, apertar e girar botões de comandos importantes e até quebrar a chave de seta.

Interesse precoce

Alguns pais costumam fortalecer nas crianças uma curiosidade que já é precoce em relação aos veículos.  José de tanto colocar a filha sentada no tanque da moto e dar algumas voltinhas com ela na rua teve de erguer a mesma moto para tirar a filha debaixo com algumas fraturas.

A menina de 5 anos disse que queria subir na moto para brincar sem medir os riscos que só um adulto consegue.

Pais que dirigem com os filhos no colo e as mãozinhas no volante acabam despertando um interesse prematuro da criança por “brincar” de dirigir. Alguns se orgulham contando que o filho “veio dirigindo” desde o lugar tal. 

Nas plataformas de vídeo não é raro ver crianças dirigindo filmadas pelos próprios pais que divulgam orgulhosa e irresponsavelmente as “façanhas” que ensinaram aos filhos.

Criança brinca com carrinho de brinquedo e ponto. Criança sozinha dentro do carro não deve ser permitido por razões óbvias.

Descuido

Nunca é tarde para mudar a atitude diante da esperteza das crianças. Se com um celular na mão elas descobrem funcionalidades que muitos adultos não conseguem a mesma curiosidade pode levar a acidentes quando se trata de um veículo.

Construa limites com os seus filhos e deixe bem claro que elas só entrarão no veículo para sair com os pais. Comente sobre outros casos em que crianças e adultos se machucaram em casos semelhantes aos abordados pela coluna.

Guarde a chave do carro em lugar alto que a criança não alcance ou em algum lugar que ela não saiba. Verifique se portas e janelas estão bem fechadas e de preferência tranque as portas no controle da chave.

Espera-se que educação para o trânsito seja matéria de escola, mas ela começa em casa com atitudes simples começando por proibir a criança de entrar no carro se os pais não tenham dado permissão.

Não é só a imprudência e a imperícia que causam acidentes, mas também a negligência, o descuido, deixar de prever o que pode acontecer se uma criança está perto. E crianças são curiosas de nascença.

Melhoras à mãe que teve a mão prensada contra a parede. Que bom que foi só um susto!

O atributo alt desta imagem está vazio. O nome do arquivo é WhatsApp-Image-2020-02-03-at-11.41.32-1024x733.jpeg
Texto escrito por MÁRCIA PONTES

Márcia Pontes é escritora, colunista e digital influencer no segmento de formação de condutores, com três livros publicados. Graduada em Segurança no Trânsito pela Unisul, especialista em Direito de Trânsito pela Escola Superior Verbo Jurídico, especialista em Planejamento e Gestão do Trânsito pela Unicesumar. Consultora em projetos de segurança no trânsito e professora de condutas preventivas no trânsito. Vencedora do Prêmio Denatran 2013 na categoria Cidadania e vencedora do Prêmio Fenabrave 2016 em duas categorias.

Notícias relacionadas

Deixe uma resposta

Últimas notícias

error: Toda e qualquer cópia do Portal Alexandre José precisa ser creditada ao ser reproduzida. Entre em contato com a nossa equipe para mais informações pelo e-mail jornalismo@alexandrejose.com