InícioEsporteJovem de Itajaí que ganhou concurso mas não recebeu luvas de Rogério...

Jovem de Itajaí que ganhou concurso mas não recebeu luvas de Rogério Ceni será indenizado

Atualização: jovem de Itajaí recebe luvas autografadas de Rogério Ceni após decisão da Justiça

Uma rede nacional de televisão deverá indenizar por danos morais um jovem morador de Itajaí que venceu um concurso mas nunca recebeu a premiação prometida: um par de luvas autografadas pelo goleiro Rogério Ceni, ídolo do São Paulo.

• Clique aqui e faça parte do nosso grupo de notícias no WhatsApp

O programa esportivo, exibido ao meio-dia, de segunda a sexta-feira, e apresentado por um ex-jogador de futebol, lançou a promoção em rede nacional no mês de março de 2015. Com um par de luvas em mãos, que dizia pertencer ao goleiro são-paulino, o comunicador pedia aos telespectadores que enviassem um vídeo criativo sobre a carreira de Ceni para a produção. O melhor deles ganharia o apetrecho do goleiro.

Incentivado pelo pai, o garoto de Itajaí produziu o material e enviou ao programa, com estúdios em São Paulo. O resultado do concurso, divulgado semanas depois, foi muito comemorado pela família do jovem, que inclusive gravou o programa em que o apresentador anunciou o vencedor e reproduziu o vídeo caseiro, transmitido em rede nacional.

A euforia porém, transformou-se em frustração com o passar do tempo. Passado mais de ano, a família fez diversos contatos com a emissora, mas não obteve resposta. Sem a luva, o caso foi parar na Justiça. Em 1º Grau, a juíza Ana Vera Sganzerla Truccolo, titular da 4ª Vara Cível de Itajaí, condenou a rede de TV a entregar a luva em 30 dias e pagar indenização por danos morais em favor do rapaz.

Houve recurso, mas o desembargador Marcos Probst, integrante da 6ª Câmara Civil do Tribunal de Justiça de Santa Catarina decidiu manter a sentença. Além disso, aumentou a indenização de R$ 5 mil para R$ 10 mil.

O que diz a emissora

A rede de TV, em sua defesa, disse não possuir mais a gravação do programa e que o vídeo apresentado pela família era “imprestável” e que não comprovava que o jovem havia vencido a promoção. Afirmou também não possuir a luva de Rogério Ceni e sequer condição de obter outra, idêntica, por se tratar de item de colecionador. Por fim, afirmou que não há dano moral indenizável diante da ausência de nexo de causalidade, quando muito um “mero dissabor”.

Para o desembargador, porém, é possível ver e ouvir com clareza, no vídeo apresentado pela família, o anúncio do vencedor e a apresentação do vídeo premiado. A informação da TV de que não possui a luva, anunciada como premiação, também não foi aceita, já que o objeto apareceu diversas vezes no programa. Se as luvas mostradas, não eram do goleiro, como afirmou o apresentador, a promoção seria uma farsa.

Leia mais notícias de Blumenau e região:

Bombeiros de SC localizam corpos de duas vitimas das chuvas em Pernambuco

Sine de Blumenau tem mais de 190 vagas de emprego

Notícias relacionadas

Deixe uma resposta

Últimas notícias

error: Toda e qualquer cópia do Portal Alexandre José precisa ser creditada ao ser reproduzida. Entre em contato com a nossa equipe para mais informações pelo e-mail jornalismo@alexandrejose.com