InícioEmerson LuisEsporte: Pagar para jogar. Não é só futebol. Por Emerson Luis

Esporte: Pagar para jogar. Não é só futebol. Por Emerson Luis

Indaial.

Estádio Ervin Blease.

Blumenau 0 x 0 Atlético Tubarão.

Renda: R$ 5.780,00

Público: 342

Blumenau e Tubarão empataram na estreia da Série B. Foto: Patrícia Amorim/CAT

Ibirama.

Estádio Genésio Ayres Marchetti.

Metropolitano 0 x 0 Nação.

Renda: R$ 4.510,00

Público: 209

Metropolitano e Nação se enfrentaram em Ibirama. Foto: CA Metropolitano

Não é só no futebol de Blumenau que se paga para jogar.

Modalidades de alto rendimento também sofrem.

Como é o caso do basquete feminino.

Que está representando a cidade – pelo sexto ano seguido – na Liga Nacional.

Atual vice-campeã – perdeu a final ano passado para o Ituano SP.

Jogo da Liga Nacional do ano passado no Galegão. Foto: Vitor Bett

Temos a equivocada visão de que apenas o futebol se tornou um produto caro.

O basquete só não agoniza porque é organizado.

Se dependesse da bilheteria já teria quebrado.

O número de expectadores na 1ª fase é broxante.

Jogos disputados na nossa principal e mais bem centralizada praça esportiva.

Ingresso com preço único de R$ 10.

Time em quadra contra o Sampaio Corrêa MA. Foto: Vitor BettO

O público no Galegão nos nove jogos foi esse:

Blumenau 72 x 77 Araraquara SP- 297

Blumenau 99 x 72 Catanduva SP- 175

Blumenau 71 x 55 LSB RJ- 182

Blumenau 83 x 80 Santo André SP- 245

Blumenau 65 x 90 Campinas SP- 357

Blumenau 72 x 59 Sport PE. 112

Blumenau 79 x 91 Sampaio MA- 187

Blumenau 65 x 64 Ituano SP- 145

Blumenau 81 x 39 Sorocaba SP- 117

Média de pouco mais de 200 pessoas por partida.

Para ver um time na elite, o suprassumo da modalidade no país.

Maior público foi registrado contra o Campinas. Foto: Vitor Bett

Não custa lembrar que nessa estatística estão inseridas diversas cortesias para colaboradores, patrocinadores, parceiros, Imprensa, políticos…

Mais gente entra de graça do que paga.

Imagina se fosse no Sesi…

Leila converte cesta em jogo no Galegão. Foto: Vitor Bett

A conta fica no vermelho, obviamente.

Prejuízo, contudo, que é coberto, pela eficiente administração da Associação de Pais e Amigos do Basquete Feminino (BFB).

Bem diferente do que estamos acostumados a ver no futebol.

Onde dirigentes tiram dinheiro do bolso (ressarcidos logicamente em algum momento).

Elenco unido é uma das forças do time na Liga Nacional. Foto: Vitor Bett

Receita que vem dos patrocinadores.

E dos eventos realizados na temporada.

Como o pedágio.

Que arrecadou R$ 10 mil ano passado.

Agora em julho está prevista uma nova mobilização.

Pedágio do ano passado. Foto: Associação Pais e Amigos do Basquete Feminino

A churrascada.

Na primeira e única ação realizada em 2019 foram levantados R$ 8 mil.

Em outubro deve ser feito outro encontro.

Churrascada voltará em outubro. Foto: Associação Basquete Feminino de Blumenau

E especialmente a feijoada.

Na 8ª edição, mês passado no Vasto Verde, foram vendidos 1009 pratos.

Lucro de R$ 26.341,04.

Vasto Verde foi palco da tradicional feijoada. Foto: Vitor Bett

Prestação de contas.

A tal transparência que cobrei na última coluna.

Que muitos clubes não se prestam ao trabalho de divulgar.

Membros do BFB preparando a feijoada. Foto: Vitor Bett

Todo mundo pega junto.

Isso auxilia bastante na contabilidade.

Quem comandou a feijoada, por exemplo, foi Ivo Rodrigues.

Pai da técnica do time adulto Bruna Rodrigues.

Técnica Bruna Rodrigues orientando o grupo durante um jogo. Foto: Vitor Bett

A renda de um jogo no Galegão não cobre 1/3 das despesas.

Cada clube que participa da Liga Nacional precisa desembolsar uma taxa de R$ 6 mil.

Para ter os benefícios nas viagens é necessário pagar R$ 4 mil ao Comitê Brasileiro de Clubes (CBC).

Isso ajuda demais – uma ida para o Maranhão não sai por menos de R$ 50 mil.

Valor que cobre transporte aéreo e hospedagem (a alimentação é por conta da delegação).

As vantagens aumentam com a fidelização.

Com o tempo, os uniformes são por conta do CBC.

A comissão técnica é bancada pela instituição.

Uma filiação, digamos, obrigatória.

Público durante a Liga de 2019 foi melhor do que este ano. Foto: Vitor Bett

A arbitragem e o deslocamento, tomando Navegantes como base, são de responsabilidade do clube mandante.

Dá algo em torno de R$ 3.500

Tem ainda os oficiais de mesa, filmagem, ambulância, equipe médica, gelo, água, eletricista de plantão…

Adicione mais uns R$ 3.000.

Um jogo consome R$ 7 mil.

Público tem prestigiado pouco o basquete feminino. Foto: Vitor Bett

Só não fica mais encarecido porque existem permutas.

Como a segurança a cargo da Vigifort, que cobra uma taxa simbólica para cada um dos seis seguranças exigidos – a empresa também fornece duas faxineiras.

A sonorização é de responsabilidade da Secretaria Municipal de Esporte.

Toda a estrutura do ginásio é cedida pela Vila Germânica.

Como o Sebastião Cruz pertence ao município, o aluguel não é cobrado.

Ginásio Sebastião Cruz. Foto: Reprodução/Prefeitura de Blumenau

Vale ressaltar que a prefeitura é a maior patrocinadora do basquete feminino.

Junto com a Federação Catarinense de Basquete.

E a UniSociesc, a cotista master, que oferece as bolsas de estudos.

Incluída no salário das atletas.

Faz muita diferença na hora de fechar o contrato.

Nomes de peso no cenário nacional estão ou já estiveram por aqui muito por causa desse processo de negociação.

A engrenagem não funcionaria sem a paixão voluntária dos pais.

Luciano Carlos, diretor de Comunicação, é mestre de cerimônias nos jogos.

Vitor Bett, vice-presidente, é fotógrafo.

Péricles Espindola, o presidente, é o coordenador geral nos eventos.

Quem faz o papel da mascote é uma mãe da associação.

Outros abnegados se revezam na bilheteria, no estacionamento, no bar…

Tem de tirar o chapéu.

Aplaudir.

Saciar esse momento de união e entrega cada vez mais raro.

Luciano Carlos durante jogo do time no Galegão. Foto: Vitor Bett

A pandemia desestimulou muita gente.

O próprio BFB perdeu integrantes.

Filhas pararam de jogar e naturalmente os pais não continuaram ativos.

No fim, a boa e velha guarda faz o basquete feminino, o maior campeão catarinense da história e único representante do sul do Brasil na Liga Nacional, sobreviver.

Com dignidade.

Mesmo com o pouco reconhecimento do público blumenauense.

Que parece se encantar apenas com o voleibol masculino – tem todos os méritos.

O futsal masculino é um case de sucesso à parte.

Desde sua primeira participação nacional, em 2017, nunca tivemos mais do que 850 pagantes em um jogo de basquete.

Jogo de vôlei de Blumenau em 2018 no Galegão. Foto: Raphael Guilherme Moser

As meninas (todos os envolvidos) merecem muito mais apoio.

Vem aí os playoffs da Liga.

Em breve vai ser construído bem ao lado do ginásio, no estacionamento, o Centro de Convenções.

Aproveitem o Galegão.

Ginásio Sebastião Cruz fechado, sem jogo, sem treino. Foto: Emerson Luis

E o próprio time.

Enquanto ainda existe tempo.

Equipe já está classificada para os playoffs. Foto: Vitor Bett

Notícias relacionadas

Deixe uma resposta

Últimas notícias

error: Toda e qualquer cópia do Portal Alexandre José precisa ser creditada ao ser reproduzida. Entre em contato com a nossa equipe para mais informações pelo e-mail jornalismo@alexandrejose.com