InícioSaúdeVaríola dos macacos: Ministério da Saúde investiga caso suspeito em SC

Varíola dos macacos: Ministério da Saúde investiga caso suspeito em SC

O Ministério da Saúde informou nesta segunda-feira (30) que está investigando um caso suspeito da varíola dos macacos – vírus Monkeypox – em Santa Catarina. Um segundo caso suspeito está sendo investigado no Ceará. Não há, até o momento, casos confirmados da doença no Brasil.

• Clique aqui e faça parte do nosso grupo de notícias no WhatsApp

Segundo a Secretaria de Saúde, a paciente é uma mulher de 27 anos, que mora em Dionísio Cerqueira, no Extremo Oeste, e possui registro de internação hospitalar. Atualmente, ela aguarda resultados de exames laboratoriais para outras doenças e segue em monitoramento pela vigilância municipal.

“Ela iniciou os sintomas em 24 de maio, com o aparecimento de erupções cutâneas agudas do tipo papulovesicular em diferentes regiões do corpo, que foram acompanhadas de disfagia, mialgia, astenia, febre e linfonodomegalia”, informou a secretaria em nota.

A investigação está sendo realizada pela Secretaria Municipal de Saúde, Diretoria de Vigilância Epidemiológica de Santa Catarina, Laboratório Central de Santa Catarina (LACEN/SC) com apoio do Ministério da Saúde.

Transmissão

A varíola dos macacos pode ser transmitida pelo contato com gotículas exaladas por alguém infectado (humano ou animal) ou pelo contato com as lesões na pele causadas pela doença ou por materiais contaminados, como roupas e lençóis, informa o Instituto Butantan. Uma medida para evitar a exposição ao vírus é a higienização das mãos com água e sabão ou álcool gel.

O Butantan ressalta que residentes e viajantes de países endêmicos devem evitar o contato com animais doentes (vivos ou mortos) que possam abrigar o vírus da varíola dos macacos (roedores, marsupiais e primatas). Devem também “abster-se de comer ou manusear caça selvagem”.

O período de incubação da varíola dos macacos costuma ser de seis a 13 dias, mas pode variar de cinco a 21 dias, conforme relato do Butantan. Por isso pessoas infectadas precisam ficar isoladas e em observação por 21 dias.

Notícias relacionadas

Deixe uma resposta

Últimas notícias

error: Toda e qualquer cópia do Portal Alexandre José precisa ser creditada ao ser reproduzida. Entre em contato com a nossa equipe para mais informações pelo e-mail jornalismo@alexandrejose.com