InícioGeralEsporte: A cidade do futsal, por Emerson Luis

Esporte: A cidade do futsal, por Emerson Luis

Exagero?

Depende do ponto de vista de cada um.

Também não soaria demasiado se a manchete mudasse para:

“A cidade do voleibol”.

A realização do Torneio de Verão apenas comprovou como o blumenauense é apaixonado pelo futsal.

Especialmente quando da execução dos jogos das semifinais e final.

Jogadores e torcedores do Loes comemoram o título. Foto: Lucas Prudêncio

Casa cheia na decisão entre o campeão Loes e BEC.

Fosse disputado em um ginásio maior e mais centralizado, como o Galegão, o público seria muito maior do que os 400 torcedores (capacidade do local), em média, que estiveram na derradeira partida no Vasto Verde.

Claro que são situações totalmente distintas.

Mesmo assim serve de parâmetro.

Na final da Copa Santa Catarina, em dezembro de 2017, entre Blumenau e Mafra, muita gente não conseguiu entrar porque todos os mais de 3 mil lugares foram ocupados.

Blumenau Futsal comemora no Galegão o título da Copa Santa Catarina. Foto: Sávio James

Na fase boa do Blumenau futsal na Liga Nacional de 2013 e 2014, a AD Hering ficou pequena.

E nos últimos anos no Sesi também houve a presença de um grande número de expectadores.

Jogos de Blumenau na AD Hering na Liga Futsal de 2013. Foto: Reprodução/Internet

A ideia dos organizadores era fazer a competição no Ginásio Sebastião Cruz.

Não foi possível por causa da Copa Brasil de Vôlei (que foi realizada de 27 a 31 de janeiro).

Esse não foi o principal entrave.

O problema é mais complexo.

Minas foi o campeão da Copa Brasil de Vôlei ao derrotar Campinas na final. Foto: Sávio James

O Galegão sedia desde 20 de novembro de 2021 e vai seguir até 19 de março de 2022 os jogos da Apan na Superliga – caso o time se classifique para os playoffs, o prazo vai se estender.

E de 21 de janeiro a 18 de março tem recebido a etapa de classificação do Bluvolei na Superliga B feminina – que também pode aumentar em caso de vaga no mata- mata.

Sem contar que a partir de março, o basquete feminino vai novamente usar a estrutura para participar da Liga Nacional.

Ano passado jogou até agosto.

Basquete feminino vai outra vez representar Blumenau na Liga. Foto: Vítor Bett

O Galegão é do vôlei e do basquete.

Basquete que mais uma vez vai precisar se adequar.

Direcionar a tabela dos primeiros jogos para fora de casa até o fim da participação do vôlei.

Até porque o custo para retirar e colocar o tapete adaptado para o vôlei, que pertence ao município, beira os R$ 3 mil.

E ninguém quer ou tem condições de bancar essa conta.

Sesi/Bauru foi o campeão da Copa Brasil no feminino. Foto: Sávio James

Quanto aos jogos de futsal e handebol na Liga Nacional no Galegão, já desisti.

Ninguém vai se mexer para ampliar a quadra e torná-la oficial 40 x 20 m.

Reformar para que se tem o Sesi?

Ou o próprio Vasto Verde, AD Hering, Sest/Senat, Associação Altona.

Ampliei esse tema aqui no Portal na coluna em janeiro de 2021.

Ginásio do Sesi em jogo de futsal na Liga Nacional. Foto: Reprodução/Internet

Sou suspeito para falar do Vasto Verde.

Foi lá que passei os melhores momentos da minha infância jogando futebol aos domingos.

O clube foi muito parceiro dos organizadores.

O Ginásio Nelson Busarello até deu conta do recado pela proposta do torneio, contudo não tem condições de receber uma competição de peso.

Boa parte de sua estrutura é de madeira.

Teve um jogo lá em 2021 pela Liga Nacional de Basquete (sem público).

E as reclamações foram muitas.

BEC e Loes na final no Vasto Verde. Foto: Lucas Prudêncio

Nas semifinais e na final do futsal, problemas pontuais foram detectados.

Como demoradas filas para comprar e retirar bebidas (na decisão acabou o chopp).

Goteiras que deixaram o último degrau da arquibancada molhado e muita gente foi obrigada a assistir o jogo de pé.

Nada no entanto apaga a colaboração e o bom serviço prestado ao esporte.

Ginásio Nelson Busarello no Vasto Verde. Foto: Reprodução/Internet

Tudo foi feito muito rápido

Desde a confirmação do evento após a desistência de Indaial até a montagem dos 10 times.

Mesmo assim, tivemos grandes jogos e atletas de ponta em Blumenau.

Foi a 20ª edição.

A primeira com jogadores federados.

Tempo pedido na final entre BEC e Loes. Foto: Lucas Prudêncio

Não tenho dúvida que o campeonato de 2023 será ainda melhor.

Temos condições, inclusive, daqui a alguns anos, de suplantar Indaial – a premiação já foi a mesma: R$ 20 mil para o campeão.

Loes comemora título invicto. Foto: Lucas Prudêncio

Lógico que a tradição de lá e a credibilidade (35 edições) são maiores.

Nada que por aqui não possa ser construído com esforço coletivo (como tivemos nesta edição) ainda maior entre organizadores, empresários, vereadores, deputados e poder público.

Ginásio municipal de Indaial durante o Torneio de Verão. Foto: Reprodução/Internet

Se a toque de caixa, Blumenau já mobilizou a comunidade e incomodou a “concorrência”, imagina com tempo e planejamento.

Ginásio do Vasto Verde na final do Torneio de Verão. Foto: Lucas Prudêncio

Notícias relacionadas

Deixe uma resposta

Últimas notícias

error: Toda e qualquer cópia do Portal Alexandre José precisa ser creditada ao ser reproduzida. Entre em contato com a nossa equipe para mais informações pelo e-mail jornalismo@alexandrejose.com