InícioJustiçaEmpresário condenado pela morte de blumenauense em Curitiba será solto

Empresário condenado pela morte de blumenauense em Curitiba será solto

Pode ser solto ainda nesta quarta-feira (24) o empresário condenado pela morte do engenheiro blumenauense Douglas Junckes, em Curitiba, em maio de 2018. Apesar de ter sido condenado a 14 anos de prisão em júri popular na última segunda-feira (22), a defesa de Antônio Humia Dorrio entrou com um pedido de habeas corpus, que foi acatado pelo Tribunal de Justiça do Paraná (TJPR).

Quer receber as notícias do Portal Alexandre José direto em seu celular, pelo WhatsApp? Então clique aqui e entre em nosso grupo. Informação em tempo real, onde quer que você esteja!

Após a sentença, o réu chegou a ser encaminhado ao sistema penitenciário, porém terá o direito de aguardar em liberdade o julgamento dos recursos ainda cabíveis. Os advogados do empresário pretendem recorrer da condenação. O TJPR entendeu que “a prisão após decisão de 1º grau configura constrangimento ilegal a execução provisória da pena antes do exaurimento das instâncias ordinárias”.

Porém, foram impostas medidas cautelares ao réu, como o recolhimento domicilia das 22h às 06h nos dias de semana, e das 22 de sábado às 06 de segunda-feira. Ainda de acordo com o TJPR, Dorrio não poderá se ausentar de Curitiba sem autorização do juiz. Em caso de descumprimento das medidas cautelares, a decisão pela liberdade poderá ser revista.

O crime

O engenheiro foi assassinado com quatro tiros à queima roupa no dia 20 de maio de 2018, quando Dorrio foi armado até o apartamento da vítima para, supostamente, reclamar de barulho. Testemunhas no caso relataram, no entanto, que não ouviram nenhum barulho acima do normal antes do crime. Também não há registro de reclamação formal no condomínio contra Douglas – diferentemente do acusado, que tem registros de queixas.

Na casa do acusado, a polícia encontrou duas armas de fogo. Quando foi morto, Douglas estava prestes a completar 36 anos. Tinha uma carreira bem-sucedida e a perspectiva de um futuro promissor pela frente. Trabalhava em um cargo estratégico na empresa Nokia havia 13 anos, ocupando funções no Brasil e no exterior. Preparava-se para uma viagem de férias na Europa, na companhia de amigos. Foi morto poucas horas antes de pegar o voo.

Notícias relacionadas

Deixe uma resposta

Últimas notícias

    error: Toda e qualquer cópia do Portal Alexandre José precisa ser creditada ao ser reproduzida. Entre em contato com a nossa equipe para mais informações pelo e-mail jornalismo@alexandrejose.com