InícioMárcia PontesTrânsito: parquímetro e estacionamento livre são coisas do futuro? Por Márcia Pontes

Trânsito: parquímetro e estacionamento livre são coisas do futuro? Por Márcia Pontes

Assim como outras experiências que estão dando super certo em outras cidades, o parquímetro e o estacionamento livre para quem carimba o ticket de compras nos shoppings são duas grandes experiências que ainda estão distantes na nossa Blumenau. Tem ainda a experiência do aluguel de bicicletas e cães nos parques e shoppings sem data marcada. Assuntos que causaram e ainda causam polêmica, motivam discursos inflamados de políticos, debates nas redes sociais e projetos de lei que rendem até serem arquivados. Será que essas coisas que existem com tanta naturalidade em outros lugares e provam que dão certo são coisas do futuro em Blumenau?

Estacionamento grátis no shopping

Imagine que você vai ao shopping e – independentemente do quê e da quantidade que comprou – basta carimbar o ticket para ter estacionamento livre. Se não comprar nada, paga o valor estabelecido nos guichês de atendimento ou nas máquinas de autoatendimento. Almoça no restaurante ou simplesmente toma o café da tarde, carimba o ticket no próprio estabelecimento e a cancela libera a sua passagem sem pagar nada.

Em outros lugares, o estacionamento é liberado total desde que a pessoa comprove que fez compras, a partir de determinado valor que não é tão alto assim. Será que isso daria certo em Blumenau ou geraria ainda mais polêmica?

Shoppings, por exemplo, são pólos geradores de tráfego, locais que atraem uma grande quantidade de pessoas e muitas delas motorizadas. Desde 1998, o Código de Trânsito Brasileiro (CTB) determinada que o projeto para instalação de novos estabelecimentos comerciais só sejam aprovados se houver garantia de vagas de estacionamento.

Portanto, se as vagas de estacionamento são obrigatórias para se liberar um projeto de construção comercial, se a principal finalidade de um shopping não é explorar o estacionamento, não seria justo que a cobrança fosse dispensada aos clientes que validam o ticket comprovando a compra de produtos ou serviços? Será que daria mais gosto de comprar nesses estabelecimentos?

Parquímetro

Eita coisa boa que é esse tal de parquímetro! Quando será que chega a Blumenau? Uma facilidade para qualquer pessoa usar. Basta ir seguindo as instruções na tela do equipamento. Mais fácil que pagar nas máquinas de autoatendimento: aceita moedas, cartão de débito, de crédito e pré-pago.

O próprio condutor escolhe o tempo que vai estacionar e pode aumentar o tempo colocando mais moedas. É o fim da venda casada ou não de talões de papel e das autuações e multas por “esquecimento” do talão em casa ou porque queria comprar o talão no local e a moça da área azul não apareceu.

Cães nos shoppings, cafés e lanchonetes

Em muitas cidades pelo Brasil, você se espanta com a quantidade de cães circulando em qualquer área dos shoppings, outlets, cafés, lanchonetes e restaurantes. Em shoppings da grande Porto Alegre e região, por exemplo, é comum de se ver desde os cães mini, que cabem no bolso do dono, até grandões como Golden Retriever, dog alemão, Fila e outros. Pit Bull com focinheira também circula livremente com os seus tutores nesses locais e até pega elevador junto com as outras pessoas.

Os cães socializam pacificamente, não existe mau cheiro, não fazem xixi e nem caquinha por tudo, como se poderia imaginar. O único lugar em que são restritos é nos restaurantes na hora do almoço ou jantar. Nas lanchonetes e cafés, seja em shoppings ou no centro comercial, é a coisa mais comum se ver os pets acompanhados de seus donos.

Ninguém torce o bico, fica com nojo ou cria polêmica. Você simplesmente escolhe estar ali ou não, e até prefere estar porque o ambiente fica muito mais gostoso com os pets. Em cada praça ou parque público da grande Porto Alegre e municípios vizinhos, a bicharada está presente e alegra tudo.

Aluguel de bicicletas

Você pode deixar o carro em algum estacionamento, por exemplo, e fazer outros trajetos de bicicleta. As bikes ficam em pontos específicos espalhadas pela cidade e você pode devolver após o passeio em outro local identificado.

Blumenau já teve esse serviço, foi super elogiado, caiu nas graças dos pedalantes, mas acabou faz tempo. Não vingou. Hoje quem quer alugar uma bike para pedalar tem que esperar o domingo e a Rua de Lazer para alugar particular.

O dono das bikes dá um jeito, leva os modelos de adultos e crianças para a Rua XV de Novembro e, pelo tempo que presta esse tipo de serviço, faz até a gente acreditar que esse é um modelo que até poderia dar certo de novo.

O futuro mora ao lado

Coisas tão simples e que fazem toda a diferença: parquímetro, estacionamento liberado para quem valida o ticket em shoppings, aluguel de bikes, cães em parques, praças, cafés, lanchonetes e até em alguns restaurantes. Tudo de forma organizada, tudo muito limpo, sem reclamações, sem discursos inflamados, biquinho ou polêmica.

Não seriam coisas a se pensar para melhorar a experiência, as vivências e a qualidade de vida em Blumenau? Ou seria mais um motivo para narizes torcidos e polêmicas? E aí, qual a sua opinião?

Texto escrito por MÁRCIA PONTES

Márcia Pontes é escritora, colunista e digital influencer no segmento de formação de condutores, com três livros publicados. Graduada em Segurança no Trânsito pela Unisul, especialista em Direito de Trânsito pela Escola Superior Verbo Jurídico, especialista em Planejamento e Gestão do Trânsito pela Unicesumar. Consultora em projetos de segurança no trânsito e professora de condutas preventivas no trânsito. Vencedora do Prêmio Denatran 2013 na categoria Cidadania e vencedora do Prêmio Fenabrave 2016 em duas categorias.

Quer receber as notícias do Portal Alexandre José direto em seu celular, pelo WhatsApp? Então clique aqui e entre em nosso grupo. Informação em tempo real, onde quer que você esteja!

Notícias relacionadas

Deixe uma resposta

Últimas notícias

    error: Toda e qualquer cópia do Portal Alexandre José precisa ser creditada ao ser reproduzida. Entre em contato com a nossa equipe para mais informações pelo e-mail jornalismo@alexandrejose.com