InícioMárcia PontesTrânsito: cuidar da segurança das crianças no trânsito será mesmo mimimi? Por...

Trânsito: cuidar da segurança das crianças no trânsito será mesmo mimimi? Por Márcia Pontes

Assim como nas redes sociais, milhares de pessoas que não se conhecem cruzam o caminho umas das outras diariamente. Vou além: o trânsito é a rede social mais antiga que existe, pena que muitas pessoas ainda não se deram conta disso. A notícia de que um casal foi flagrado transportando uma criança de 3 anos sem a devida proteção gerou comentários e bate boca nas redes e curiosamente poucos manifestaram se importar com a segurança da criança.

De um lado os que olharam com indiferença para a conduta perigosa dos pais do bebê, entendeu a notícia como “falta de assunto”, mimimi e mandou os “comentaristas” cuidarem de suas vidas; de outro, os que passaram a discutir com os “indiferentes”. Outros disseram que a situação obriga e que já transportaram crianças assim. E a pergunta do milhão é: será que muitos ainda não perceberam o risco de transportar uma criança assim?

Não é novidade para ninguém que, sendo a motocicleta um veículo pequeno e mais rápido que um carro, deixa vulnerável o corpo do condutor/carona à gravidade das consequências de uma colisão é muito maior. As lesões típicas costumam ser: politraumatismos, abrasões, arrancamentos de membros, perfurações de vísceras, cirurgia, internação e tratamentos longos e doloridos. Quem tem um motociclista na família que já tenha sofrido num acidente sabe bem do que estou falando.

Quando a vítima é criança as chances de sobrevivência são mínimas. Mesmo usando capacete o corpo da criança é mais frágil, a gravidade das lesões é maior e a consequência morte é comum. Em países sérios com população instruída para os riscos da falta de segurança no trânsito isso é motivo para proteger as crianças no trânsito. Os adultos costumam se ferir e morrer por imprudência e por assumirem riscos que pensam controlar o tempo todo. Já as crianças se ferem, se mutilam e morrem sendo transportadas por adultos indiferentes à sua segurança.

Mimimi

É muito mimimi! Falta de assunto! Vão cuidar das suas vidas! “A situação obriga e eu mesmo já fiz isso”. Pasmem, mas foram alguns dos comentários sem noção a respeito da notícia do casal que transportava uma criança de apenas 3 anos entre o corpo do condutor e o carona. Houve até quem sugerisse que os “comentaristas” fizessem uma vaquinha para comprar um carro e presentear o casal. Houve quem tentou justificar um erro com outro escrevendo que a preocupação deveria ser com a quantidade de bebuns dirigindo por aí sem fiscalização.

É nessa hora que se percebe a necessidade de abordar o assunto segurança no trânsito de forma séria em todos os segmentos da sociedade como uma possibilidade de tirar muita gente da alienação.

Bebuns ao volante x crianças indefesas

Dirigir sob o efeito de álcool é uma infração de trânsito gravíssima x 10 e quando a quantidade de álcool ingerida altera a capacidade psicomotora de quem dirige torna-se crime de trânsito. Pessoas podem morrer em função dessa conduta e isso é altamente reprovável. Merece sim uma punição exemplar que infelizmente ainda não existe no Brasil.

Transportar crianças sem proteção no trânsito é igualmente reprovável, mas um erro não justifica o outro. Beber e dirigir é tão perigoso e pode ser tão fatal quanto transportar uma criança de 3 anos entre os corpos de condutor e garupa. Diariamente adultos lamentam a morte de crianças que estavam sob sua responsabilidade e eles desprezaram os cuidados.

A rede social mais antiga do mundo

É lastimável que muitas pessoas ainda não tenham se dado conta de que o trânsito é a rede social mais antiga do mundo. É um espaço compartilhado em que estranhos cruzam seus caminhos todos os dias e o que um faz coloca em risco o outro. É um estranho que vai colidir e vai levar dor e sofrimento a pessoas que eles sequer sabiam que existiam. Mas também será a pessoa estranha e cuidadosa no trânsito que vai evitar que esse mal aconteça.

Desde que o mundo é mundo são os adultos que cuidam ou que deveriam cuidar das crianças. Elas são dependentes dos adultos e os tomam como exemplo (bom ou ruim) do que fazer na vida em sociedade. Crianças dependem dos adultos para se sentirem amadas, seguras, amparadas, para aprender as noções de respeito às outras pessoas e às leis vigentes no país.

Infelizmente, diariamente milhares de crianças morrem no nosso país e no mundo porque algum adulto “acha” que é mimimi proteger uma criança no trânsito. Outros adultos não se importam em passar vergonha expondo publicamente o quão pouco se importam com isso, mas a importância maior de tudo deveria ser com o modo como se transporta uma criança sem riscos.

Multa e suspensão do direito de dirigir

O assunto é tão sério que desde abril deste ano conduzir criança com menos de 10 anos de idade ou que não tenha condições no momento de cuidar de sua própria segurança é infração gravíssima com penalidade de multa e suspensão do direito de dirigir. Antes a idade era de 7 anos.

A preocupação do legislador em punir quem não protege crianças na motocicleta é tão grande que inclui entre as crianças de 10 anos aqueles que não tenham condições de cuidar da própria segurança durante o transporte. Ou seja, não basta que a criança tenha 10 anos para ser levada de forma permitida na moto: além disso, ela ainda precisa ter condições de cuidar da própria segurança.

Quanto ao papel da imprensa quando noticia esses casos, além de alertar a população ainda abre espaço para que detalhes da legislação vigente no país sejam conhecidos por quem ainda pensa e escreve que se preocupar com isso é mimimi.

Uma visita a uma ala infantil nos hospitais em que haja crianças politraumatizadas em acidentes no trânsito porque não foram protegidas pelos adultos talvez mude a “opinião” ou “convicção” de muitos comentaristas de notícias assim. E mais importante do que mudar a opinião é mudar a conduta para que seja mais segura da próxima vez que for transportar uma criança.

Comentários como os que se leu nos últimos dias em torno da notícia de que crianças ainda continuam tendo a segurança ignorada pelos adultos no trânsito apenas sinalizam para a dimensão da falta de noção e da ausência de uma cultura voltada para a preservação da vida.

Texto escrito por MÁRCIA PONTES

Márcia Pontes é escritora, colunista e digital influencer no segmento de formação de condutores, com três livros publicados. Graduada em Segurança no Trânsito pela Unisul, especialista em Direito de Trânsito pela Escola Superior Verbo Jurídico, especialista em Planejamento e Gestão do Trânsito pela Unicesumar. Consultora em projetos de segurança no trânsito e professora de condutas preventivas no trânsito. Vencedora do Prêmio Denatran 2013 na categoria Cidadania e vencedora do Prêmio Fenabrave 2016 em duas categorias.

Quer receber as notícias do Portal Alexandre José direto em seu celular, pelo WhatsApp? Então clique aqui e entre em nosso grupo. Informação em tempo real, onde quer que você esteja!

Notícias relacionadas

Deixe uma resposta

Últimas notícias

    error: Toda e qualquer cópia do Portal Alexandre José precisa ser creditada ao ser reproduzida. Entre em contato com a nossa equipe para mais informações pelo e-mail jornalismo@alexandrejose.com