InícioSaúdeLuta contra o câncer: aplicativo deve agilizar pré-cadastro de doadores de medula...

Luta contra o câncer: aplicativo deve agilizar pré-cadastro de doadores de medula óssea no Brasil

Sinal de esperança: o Registro Nacional de Doadores Voluntários de Medula Óssea (Redome), coordenado pelo Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva (Inca), apresentou neste sábado (18), no Rio de Janeiro, um novo aplicativo que vai agilizar a atualização de dados de doadores e facilitar o pré-cadastro de interessados na doação de órgãos. O aplicativo está disponível para celulares com sistema iOS e Android.

A apresentação do aplicativo faz parte da comemoração do Dia Mundial do Doador de Medula Óssea 2021 (WMDD, do nome em inglês), comemorada sempre no terceiro sábado de setembro. Desde janeiro deste ano, o aplicativo está sendo usado em caráter experimental para pré-cadastro de novos inscritos no Redome nos estados do Rio de Janeiro, Minas Gerais e Ceará. Os primeiros resultados mostram que foram feitos, até agosto deste ano, 13.021 downloads do aplicativo. Dos 486 pré-cadastros efetuados, 129 pessoas se dirigiram a um hemocentro para finalizar a inscrição.

Para funcionar, de fato, em nível nacional, o hemocentro de cada estado tem que fazer o cadastro também usando os dados do aplicativo. O aplicativo já permite a atualização de dados pessoais daqueles que estão há mais tempo no registro, como mudança de telefone e endereço, o que é fundamental para a rápida localização do doador compatível.

Qualquer doador já pode atualizar o seu cadastro, o que é muito importante para a atualização de dados como a localização do doador.

O Redome em números

Atualmente, estão cadastrados no Redome 5,4 milhões de doadores, dos quais 120 mil entraram este ano. Em 2021, até agosto passado, foram feitos no Brasil 200 transplantes de medula óssea, sendo 140 com doadores brasileiros. O banco de doadores do Brasil também beneficiou este ano cerca de 20 pacientes de outros países.

Neste ano, o percentual de transplantes apresenta-se maior do que em 2020, quando os impactos da pandemia de Covid-19 comprometeram a atividade. No ano passado, foram efetuados 279 procedimentos para medula óssea no país contra 411 de 2019. De 2018 para 2019, o total de transplantes no Brasil subiu de 380 para 411.

No entanto, as metas são pé-no-chão com relação ao cenário atual. O programa de transplantes de medula óssea no Brasil não será capaz de recuperar o ritmo de 2019 e o objetivo primeiro é superar o total registrado em 2020.

Fonte: Agência Brasil

Quer receber as notícias do Portal Alexandre José direto em seu celular, pelo WhatsApp? Então clique aqui e entre em nosso grupo. Informação em tempo real, onde quer que você esteja!

Notícias relacionadas

Deixe uma resposta

Últimas notícias

    error: Toda e qualquer cópia do Portal Alexandre José precisa ser creditada ao ser reproduzida. Entre em contato com a nossa equipe para mais informações pelo e-mail jornalismo@alexandrejose.com