InícioEmerson LuisEsporte: Alienados e indiferentes, por Emerson Luis

Esporte: Alienados e indiferentes, por Emerson Luis

Copa América, Eliminatórias, CBF, Conmebol, Rogério Caboclo, política, pandemia, boicote. 

Temas ligados à seleção brasileira dominaram as manchetes no começo da semana.

No fim, muito barulho por nada.

O manifesto dos jogadores que teve como cabeças Marquinhos, Casemiro e Neymar foi oco.

Atacou a Conmebol.

Poupou a CBF e o governo.

Um pensamento unânime na convocação para a Copa de 2022.

Os boleiros deram o famoso nó tático nos jornalistas, especialmente naqueles que sonhavam com uma revolta. 

O perfil do time indicava que nada impactante seria produzido.

Ao mesmo tempo não se esperava tamanha omissão.

Nenhum gesto de solidariedade à funcionária da CBF, nenhuma palavra de repúdio à Rogério Caboclo, o presidente assediador, nada de aceno à faxina no comando do futebol no país.

Preocupação com a pandemia, com a saúde do povo brasileiro, insatisfação política?

Nada.

Ninguém concedeu entrevista.

Preferiram usar as redes sociais.

Cada um, na sua.

Rogério Caboclo, presidente afastado da CBF. Foto: Internet

A entrevista de Tite foi superficial.

“Não sou hipócrita, não sou alienado e sei que as coisas acontecem. Mas sei dar prioridade. Prioridade é meu trabalho e a dignidade do meu trabalho”.

“Meu limite é o da serenidade, da paz, do grande trabalho que conseguimos, com todo o estafe”.

A resposta à pergunta obrigatória, sobre o boicote ao torneio, foi uma decepção.

Tite sabe que vazou a postura de Rogério Caboclo cobrando, gritando com ele e com os atletas, na reunião da semana passada, quando a equipe se colocou contra a disputa da Copa América.

O treinador perdeu a oportunidade de colocar o dedo na ferida.

Foi mais um que pensou no Catar.

Ao mesmo tempo estava ciente da pressão do governo, o conflito de interesses e a própria sombra de Renato Gaúcho.

O tema é delicado.

Brasil de Tite lidera as Eliminatórias. Foto: Intenet

“A gente não viu o Tite falando nada quando a Copa América seria realizada na Argentina.”

“Bastou a CBF pedir para o presidente Bolsonaro a autorização para que ela acontecesse aqui no Brasil para que o Tite se posicionasse politicamente.”

“É um hipócrita, porque a gente tem vários vídeos dele no passado onde ele faz referências, puxa um saco do ex-presidente Lula sem tamanho.”

“Mas falou de Bolsonaro, ele fecha a cara e faz de tudo para boicotar”.

As frases são do senador Flávio Bolsonoro, filho do presidente.

Na conquista da Copa América de 2019, o técnico não fez nenhuma questão de aparecer ao lado dos jogadores, na tradicional foto com a taça.

É um direito seu.

Presidente Bolsonaro comemora título da Copa América. Foto: Internet

Assim como foi de Diego Souza e Felipe Melo no futebol.

De Wallace e Maurício Souza no vôlei.

No caso específico do vôlei, ocorrido em 2018, a suposta manifestação de apoio a Jair Bolsonaro redundou no veto de expressões políticas coletivas.

Em geral, entidades esportivas proíbem qualquer exposição relacionada ao assunto entre os atletas que participam de seus eventos.

O Comitê Olímpico Internacional, por exemplo, desautoriza expressamente manifestações políticas nas Olimpíadas, assim como a Fifa no futebol, sob risco de multas e exclusões

Suposto gesto de apoio foi registrado no Mundial de 2018 na Europa. Foto: Internet

“A partir de agora a gente vai ver o que vai ser decidido. Há uma hierarquia”, diz uma parte do manifesto.

Claro que há.

Em todo lugar.

O elenco e a comissão técnica não gostaram do tom das cobranças do presidente da CBF.

Se sentiram subordinados.

No fundo, são.

Todos somos.

A diferença é a (in) dependência.

O ganha pão.

Ligar o f***-se não é uma arte sutil e simples.

Carol Solberg se manifesta contra o presidente. Foto: Internet

Carol Solberg é um dos pontos fora da curva quando o destaque é o engajamento.

Para quem não lembra, em setembro de 2020, após conquistar a medalha de bronze do Circuito Nacional de Vôlei de Praia, ela surpreendeu com um grito de “Fora, Bolsonaro”, durante uma transmissão ao vivo.

Foi um rebuliço.

A atleta foi denunciada com base em dois artigos do Código Brasileiro de Justiça Desportiva (CBJD).

Há questões político-econômicas que extrapolam a discussão do direito de Carol, afirmou o Ministério Público Federal do Rio de Janeiro, como o patrocínio do Banco do Brasil à modalidade.

O banco estatal é naturalmente ligado ao governo e se especulou que até ameaçou cortar os investimentos depois do ocorrido.

No fim, Carol foi absolvida.

No entanto, recebeu uma advertência, ao ser proibida de se manifestar outra vez nas arenas e durante as partidas.

Mesmo assim, em março, ela voltou a criticar o sistema, na semifinal do Circuito Brasileiro de Vôlei de Praia.

“Tem sido muito duro manter a cabeça boa. A gente vivendo uma pandemia, completando 290 mil mortes. Eu acho que a gente precisa ter consciência disso como atleta. É um desafio muito grande manter minha cabeça boa, concentrada, durante as preparações para os jogos. Então, a gente, como atleta, precisa ter consciência disso. É absurdo o que está acontecendo no Brasil, tristeza, incapacidade de governar”.

Ela mesmo admitiu a dificuldade de se expressar em entrevista cedida para a revista Trip em dezembro de 2020.

“A realidade do atleta brasileiro é muito dura, a grande maioria está pensando no seu prato de comida. Querer e exigir desse atleta que ele também seja engajado politicamente é um pouco injusto às vezes”, afirma.

Sozinha, Carol Solberg fez muito mais do que essa geração alienada e submissa que vai nos representar a partir deste domingo (13).

Neymar em atuação nas Eliminatórias. Foto: Lucas Figueiredo/CBF

Notícias relacionadas

Deixe uma resposta

Últimas notícias

error: Toda e qualquer cópia do Portal Alexandre José precisa ser creditada ao ser reproduzida. Entre em contato com a nossa equipe para mais informações pelo e-mail jornalismo@alexandrejose.com