InícioCulturaHistória e homenagem: Galeria de Céu Aberto celebra 200 anos de Fritz...

História e homenagem: Galeria de Céu Aberto celebra 200 anos de Fritz Müller

História pura e a grande reverencia ao “príncipe dos observadores”. Na próxima terça-feira (20), uma galeria especial de arte fará a justa homenagem a memória e trajetória do naturalista Fritz Müller no ano de celebração de seus 200 anos. Trata-se da Galeria de Céu Aberto, intervenção artística idealizada pelo artista Luiz Bernardes e que trará, em imagens, uma retrospectiva da carreira do cientista, da Alemanha até a passagem por Santa Catarina.

O projeto será constituído de grandes painéis, expostos em tapumes de construtoras, muros de empresas ou em lugares públicos com espaços em paredões disponíveis. Em forma impressa, a vida de Fritz Müller é revista, desde a formação na Alemanha, a vinda para Santa Catarina e as contribuições para a ciência mundial, com detalhes da fauna e flora da região, além das trocas de informações com o famoso naturalista britânico Charles Darwin.

A pesquisa de Bernardes nos últimos meses teve a colaboração especial da professora Sueli Petry, administradora e historiadora do Arquivo Histórico José Ferreira da Silva, bem como depoimentos de escritores e admiradores da história desse personagem. A iniciativa conta com apoio institucional da prefeitura de Blumenau, Secretaria Municipal de Cultura e Arquivo Histórico José Ferreira da Silva.

Fritz Müller

Batizado por Charles Darwin de “príncipe dos observadores”, Johann Friedrich Theodor Müller, ou simplesmente Fritz Müller, nasceu em Erfurt, na Alemanha, em 1822. Ele chegou ao Brasil em 1852, com 30 anos, e conduziu estudos e observações tendo a fauna e flora da região ainda inóspita do Vale do Itajaí como um grande laboratório de pesquisas.

Em 1861, Fritz Müller teve acesso ao famoso livro de Charles Darwin: “A Origem das Espécies”, e decidiu aplicar a teoria do naturalista britânico aos estudos sobre crustáceos na costa da então cidade de Desterro (Florianópolis). Fritz viveu na dupla condição de colono e cientista e se dedicou a estudos sobre o Rio Itajaí-açu sua vegetação e em especial as orquídeas e bromélias, sua grande paixão.

Eleito Membro Honorário da Entomological Society de Londres, o naturalista chegou a exercer os cargos de Juiz de Paz e de Superintendente de Blumenau. Criou uma cartilha, tratando da flora e fauna catarinenses em verso e prosa, e ilustrada com seus próprios desenhos. Faleceu em 21 de maio de 1897, aos 76 anos, deixando uma extensa obra e pesquisa preservados no Museu que leva seu nome e onde era sua casa, no Vorstadt.

Quer receber as notícias do Portal Alexandre José direto em seu celular, pelo WhatsApp? Então clique aqui e entre em nosso grupo. Informação em tempo real, onde quer que você esteja!

Notícias relacionadas

Deixe uma resposta

Últimas notícias

    error: Toda e qualquer cópia do Portal Alexandre José precisa ser creditada ao ser reproduzida. Entre em contato com a nossa equipe para mais informações pelo e-mail jornalismo@alexandrejose.com