InícioEmerson LuisEsporte: Complicou, por Emerson Luis

Esporte: Complicou, por Emerson Luis

O Criciúma completou diante da Ponte Preta, na última quinta-feira (8), 18 jogos sem vitória.

10 empates e oito derrotas.

Quase seis meses de jejum.

Pelo menos no tempo normal.

Porque nos pênaltis, o Tigre bateu a equipe de Campinas, se classificou para a 3ª fase da Copa do Brasil e amenizou a crise.

Uma vitória que tira um peso enorme, que recupera a confiança e fortalece o time para a reta final do Campeonato Catarinense.

Sem contar a injeção de R$ 1,7 milhões nas contas do clube.

Dinheiro que deve se transformar em incentivo para os jogadores contra o Metropolitano.

Premiação pela vitória.

Bicho extra para quem fizer gol.

Não poderia existir cenário pior para o time blumenauense.

Grupo comemora vitória nos pênaltis sobre a Ponte Preta. Foto: Celso da Luz/CEC

Há quem acredite ainda que futebol (qualquer esporte) se ganha apenas dentro de campo.

A busca por artimanhas para superar um concorrente existe desde sempre.

Lei de Gérson.

O desejo de querer levar vantagem em tudo.

Não importa de que maneira.

Foi o que a direção do Criciúma fez ao solicitar a mudança da partida de domingo (11) à tarde para segunda-feira (12), às 19h.

Diretamente com a federação.

Sem consultar o Metrô.

O presidente Valdair Matias ficou indignado.

Toda a logística (ônibus, hotel, alimentação) estava programada para a data original.

Só que o protesto não vai ecoar na FCF.

Nada vai mudar.

Dirigentes do Marcílio Dias estiveram segunda-feira na sede da FCF. Fernando Ribeiro/FCF

É preciso ter história e trânsito para colocar pressão nos cartolas.

Como fez o Marcílio Dias, após se sentir garfado contra o mesmo Criciúma.

A diretoria, revoltada, foi até a sede da entidade, em Balneário Camboriú, e pediu a exclusão de Rodrigo D’Alonso Ferreira de seus jogos.

Escolhido em dezembro para ser árbitro de vídeo da FIFA, não dá para conceber como conseguiu ignorar as escandalosas faltas sofridas pelos jogadores do Marcílio Dias, inclusive a que redundou no gol de empate.

O vídeo que segue não tem muita qualidade, foi gravado direto na televisão.

Mesmo assim, na edição usada como argumento pela direção, dá para ver que a arbitragem foi omissa.

D’Alonso foi afastado por 30 dias.

Braulio da Silva Machado, filiado a Liga de Tubarão, vai apitar Criciúma e Metropolitano.

A escala completa está aqui.

Até prova em contrário todo mundo é honesto, acima de qualquer suspeita.

Mas não custa recordar o que aconteceu em 11 de março de 2014.

O escancarado impedimento não marcado por Paulo Henrique de Godoy Bezerra e ignorado solenemente pelo assistente Carlos Berkenbrock, no gol de Paulo Baier, que garantiu a vitória ao time da casa, foi daqueles lances esdrúxulos.

Impedimento não marcado contra o Metropolitano em 2014. Foto: Reprodução Internet

Mesmo com a derrota para o Avaí, Paulo Massaro tem falado em evolução e até em classificação.

O treinador é o único profissional que tem se manifestado publicamente e enchido a bola do grupo.

Perguntei à assessoria de Imprensa por que nenhum jogador tem concedido entrevista ultimamente.

Gostaria de saber o motivo.

O mutismo permaneceu.

Todo grupo precisa de liderança.

Sob pressão é que se vê quem é quem.

O Criciúma reagiu.

Está forte mentalmente.

O Metropolitano tem a última chance.

Única vitória do time foi conquistada em Concórdia. Foto: Ricardo Artifon/CAC

Notícias relacionadas

Deixe uma resposta

Últimas notícias

    error: Toda e qualquer cópia do Portal Alexandre José precisa ser creditada ao ser reproduzida. Entre em contato com a nossa equipe para mais informações pelo e-mail jornalismo@alexandrejose.com