Início Emerson Luis Esporte: Quando a conta não fecha, por Emerson Luis

Esporte: Quando a conta não fecha, por Emerson Luis

R$ 5 mil reais.

Pode não parecer nada no mundo do futebol.

Mas é muito para um clube como o Metropolitano.

Esse seria o valor cobrado para utilizar o Estádio Augusto Bauer na partida contra o Joinville, que estava marcada para a última quinta-feira (4) e foi adiada.

Despesas que aumentariam com a ida até Brusque.

Além do ônibus, ambulância, seguranças, policiais militares, maqueiros, a pizza que a boleirada come lá mesmo no vestiário depois do jogo…

O valor só não chegaria perto dos R$ 10 mil porque a delegação viajaria no dia do confronto, logo após o almoço, que seria servido no próprio CT, que também abriga a concentração.

Quarto do CT Romeu Georg no bairro Fidélis. Foto: CA Metropolitano

Na estreia, no empate em 0 x 0 com o Figueirense, o grupo viajou para Florianópolis na véspera e ficou em hotel.

Transporte, hospedagem e alimentação.

Um gasto de aproximadamente R$ 6 mil.

Que poderia ser maior se o Avaí não fosse parceiro já que não cobrou a locação da Ressacada.

Metropolitano e Figueirense se enfrentaram na Ressacada. Foto: Patrick Floriani / FFC

Outro detalhe que tem ajudado muito é que a Associação de Clubes está bancando a arbitragem.

Cada jogo custa em média R$ 5 mil.

Dependendo do deslocamento, a soma é maior.

Foto: André Palma Ribeiro / Avaí FC

Após reunião virtual na tarde desta sexta-feira (5) se definiu, por unanimidade entre Federação e os 12 clubes, que a competição será retomada no dia 21, a partir da 4ª rodada.

E que os quatro jogos atrasados serão disputados entre os dias 11 e 14 deste mês.

Um chute consensual na suspensão de 15 dias do campeonato, contados a partir de quinta (4).

A Chapecoense vai jogar em Concórdia.

O Criciúma, em Jaraguá do Sul, conforme a nova tabela.

E o Metropolitano em Ibirama ou Brusque.

Cidades onde não há restrições das prefeituras.

Gramado do estádio da Baixada em Ibirama foi todo trocado. Foto: CA Metropolitano

O confronto com o Joinville será dia 13, sábado.

O clube trabalha com a possibilidade de jogar no Alto Vale.

Corre contra o tempo.

Tanto é que agendou para segunda-feira, a vistoria no estádio da Baixada.

A FCF manteve a partida, por ora, para o Augusto Bauer.

Ou seja.

O que coloquei na introdução da coluna poderá ser apenas postergado.

Ibirama terá uma bela praça de esportes.

Em contrapartida, pelos próximos quatro anos, o Metropolitano ficará isento da cobrança do aluguel para usar a estrutura.

As obras começaram no dia 11 de janeiro.

A empresa responsável solicitou um prazo de 30 dias para deixar tudo pronto.

O tempo não ajudou, é verdade.

Mas o trabalho está atrasado.

O investimento no gramado já passa dos R$ 300 mil.

Estádio da Baixada em Ibirama. Foto: Orlando Pereira

O futebol é um saco sem fundo para equipes que dependem da cota da televisão para cobrir rombos, por exemplo.

A primeira parcela da TV foi transferida diretamente para a conta da firma que está fazendo a reforma do campo.

O Metrô vai receber R$ 147 mil, divididos em quatro parcelas.

Pelo acordo, ao finalizar o estadual, pela posição em que vai ficar na classificação, pode receber mais uma beirada.

O clube tem uma receita mensal de R$ 41 mil e uma despesa de R$ 151 mil.

O número de sócios explica muita coisa.

Metropolitano já teve sua loja oficial. Foto: CA Metropolitano

São apenas 59 associados adimplentes – 23 Ouro que pagam R$ 100, 35 Verde que contribuem com R$ 40 e um sócio Corporativo na qual a modalidade Prata custa R$ 100 e a Bronze R$ 60.

17 inadimplentes (3 sócios Ouro, 14 sócios Verde).

E 176 inativos (37 sócios Ouro, 139 sócios Verde).

Uma novidade lançada nesta sexta, até para valorizar o sócio torcedor, é o preço atrativo da camisa.

R$ 60 desde que seja comprada direto com a fornecedora, a Promo Sports.

No auge, em 2012, o Metrô chegou a ter 1.300 sócios.

Torcedores fazendo fila na loja oficial do clube para comprar ingresso em 2012. Foto: CA Metropolitano

Essa matemática que não fecha nunca é muito mais pesada para o clube do que para a gestora.

Ela é responsável pelo pagamento de comissão técnica e jogadores.

Afinal, a maioria dos atletas que estão aqui têm os salários pagos pelos times de origem ou bancados em boa parte por empresários, que precisam colocar seu produto na vitrine.

O Corinthians, inclusive, tem dois garotos no Metropolitano.

O lateral esquerdo Kevin Emmel de 20 anos que foi comprado junto ao Tubarão.

Kevin Emmel e Rafael Valença, diretor da AS. Foto: meutimao.com.br

E o atacante Gabriel Lima, de 22 anos (formado na base do Inter de Lages e que defendeu o Figueirense em 2020).

A dupla é agenciada por André Santos, como aponta essa reportagem do “Meu Timão”.

Gabriel Lima disputou 12 jogos pelo Figueirense- dois como titular. Foto: Patrick Floriani/ FFC

O produto final do futebol é o resultado.

Que se reflete em negócios.

Como a ida de Ruan Oliveira (faz 21 anos agora em março) para o Corinthians.

O contrato que terminaria em julho foi estendido até junho de 2022 mesmo com o jogador lesionado.

Em setembro, sozinho em um treino, Ruan rompeu o ligamento cruzado anterior do joelho esquerdo – a previsão é que volte em abril.

Perguntei ao presidente Valdair Matias se algum dinheiro veio para cá.

Disse que não.

Apenas o meia ofensivo recebeu um aumento salarial, passou a ganhar R$ 20 mil/mês.

Ruan Oliveira se machucou durante treino do Corinthians. Foto: Rodrigo Coca/ Ag. Corinthians

Em abril de 2019, Ruan foi emprestado por R$ 100 mil (com opção de compra de R$ 1 milhão).

Seu valor de mercado é de 300 mil euros (mais de 2 milhões de reais).

Na época, o Metropolitano só teve direito a 10% do bolo, já que as cifras estavam fatiadas e acabaram distribuídas para parceiros em troca de empréstimos para pagar salários.

Ruan veio do Paraná.

Foi direto para o time profissional.

Aquele elenco de 2019 foi rebaixado, mas o moleque mostrou qualidade.

Como está vinculado ao Metrô, rendeu e pode render ainda uma boa grana.

Treino do time no Estádio Guilherme Jensen. Foto: Julius Rotermell

É o trivial.

Enquanto a base não for reativada e tratada com prioridade, o clube vai continuar respirando por aparelhos.

Notícias relacionadas

Deixe uma resposta

Últimas notícias

Criança de 3 anos morre afogada em lagoa no bairro Gasparinho em Gaspar

Uma tragédia foi registrada em Gaspar, no Vale do Itajaí, nesta quarta-feira (21) - feriado nacional de Tiradentes. Um menino de apenas três anos...

Vídeo: caminhão caçamba desliza na Rua Bahia e atinge carro estacionado

Um acidente impressionante foi registrado por uma câmera de monitoramento, em Blumenau, nesta quarta-feira (21) - feriado nacional de Tiradentes. Um caminhão caçamba deslizou...

Covid-19: Feriado de Tiradentes com três mortes e 61 novos casos em Blumenau

Mais três mortes por coronavírus foram registradas em Blumenau nas últimas 24h, segundo as atualizações do boletim diário da Secretaria de Saúde do município....

Manutenção da Rua Silvano Cândido da Silva Sênior será retomada nesta quinta

Quase um mês após o rompimento de uma rede do Samae que provocou o afundamento do solo na Rua Silvano Cândido da Silva Sênior,...

Após operação policial, começa pintura do condomínio que era dominado pelo tráfico

Em uma semana, os trabalhos de revitalização do condomínio Parque da Lagoa, na Rua Botuverá, no bairro Itoupavazinha, em Blumenau, avançaram bastante. O residencial,...
error: Toda e qualquer cópia do Portal Alexandre José precisa ser creditada ao ser reproduzida. Entre em contato com a nossa equipe para mais informações pelo e-mail jornalismo@alexandrejose.com