Início Saúde Covid-19: suspensão de teste de vacina deixa cronograma indefinido

Covid-19: suspensão de teste de vacina deixa cronograma indefinido

O secretário executivo do Ministério da Saúde, Elcio Franco, afirmou em entrevista virtual nesta quarta-feira (9), que não sabe como a suspensão dos testes da vacina de Oxford impactará o cronograma previsto para a análise e aplicação do tratamento.

O Brasil firmou acordo com o laboratório responsável pela vacina, AstraZeneca, envolvendo a aquisição de 30 milhões de doses independentemente do resultado dos testes e de incorporação de tecnologia para a fabricação pela Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) de mais 70 milhões de unidades a depender do êxito do ensaio clínico.

Na quarta-feira, (8) o laboratório AstraZeneca informou ao Ministério da Saúde e à Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) a suspensão dos testes. O motivo seria o fato de um participante ter demonstrado reação adversa. A equipe do ensaio clínico agora avalia se o episódio seria oriundo de um efeito colateral pela aplicação do tratamento.

“Ainda não sabemos o quanto o cronograma previsto será impactado em função da interrupção dos testes”, declarou Franco. Ele acrescentou que a preocupação do governo brasileiro é com a “segurança da população brasileira”.

O secretário executivo disse que mesmo diante da suspensão dos testes, o acordo com a AstraZeneca não sofrerá mudanças e defendeu a medida. “O acordo já foi assinado eletronicamente pela Astrazeneca. É cedo para fazer qualquer afirmação sobre falhas. Não podemos perder de vista a segurança da população. A aquisição desta tecnologia também permitirá o domínio desta, obviamente pagando os royalties”, comentou.

Pesquisa com profissionais

Os representantes do Ministério da Saúde apresentaram uma pesquisa sobre a saúde mental de profissionais de saúde durante a pandemia, considerando uma amostra do cadastro da estratégia Brasil Conta Comigo. Dos ouvidos, 12% apresentaram alto grau de sintomas psicológicos e psiquiátricos em relação à média da população.

Entre os entrevistados, 76% relataram estar em níveis bons ou muito bons de saúde mental. Quando perguntados sobre relações sociais, 70% relataram níveis bons e muito bons, e apenas 5,1% manifestaram necessidade de melhoria nesse aspecto.

Quando a amostra considera profissionais do Sistema Único de Saúde (SUS), os índices de reclamação sobre a qualidade de vida aumentam. Entre os entrevistados, 10% indicaram necessidade de melhoria na situação de saúde física e 17,5% na saúde psicológica e 21,3% nas relações sociais.

Fonte: Agência Brasil

Notícias relacionadas

Deixe uma resposta

Últimas notícias

Manutenção em ponte interdita o trânsito em rua no bairro da Velha nesta quinta

Nesta quinta-feira (24) durante todo o dia, a Secretaria de Conservação e Manutenção Urbana (Seurb) fará a manutenção em uma ponte de...

Morre aos 86 anos Maria Piaz, mãe do comunicador Alexandre José

Faleceu na manhã desta quinta-feira (24), no Hospital Ruth Cardoso, em Balneário Camboriú, Maria Piaz, de 86 anos, mãe do comunicador Alexandre...

Motorista morre após carro bater em árvore e pegar fogo em rodovia de Timbó

Notícia em atualização.O acidente aconteceu por na manhã desta quinta-feira (24) na SC-417, bairro Capitais, em Timbó. O...

Durante abordagem policial, mulher foragida da Justiça é presa no Valparaíso

Era por volta de 0h16 da madrugada desta quinta-feira (24), quando uma guarnição da Polícia Militar abordou um veículo na Rua Oscar...

Adolescentes de 13 e 14 anos são apreendidos suspeitos de roubo em Blumenau

A apreensão ocorreu por volta das 21h11min desta quarta-feira (23) na Rua Maria Balbina Zimmermann, no bairro Escola Agrícola, em Blumenau, após...