Início Política Política: a queda do governador Carlos Moisés, por Luiz Carlos Nemetz

Política: a queda do governador Carlos Moisés, por Luiz Carlos Nemetz

A queda de Carlos Moisés, o pior governador que a história de Santa Catarina já viu, começou neste dia 22 de julho de 2020. Contagem regressiva para ser expurgado do cargo. O deputado Júlio Garcia, eleito por unanimidade presidente da Alesc, acatou o parecer favorável da Procuradoria da casa, baseado no processo que apura irregularidades na equiparação salarial de procuradores do Estado. Assim, admitido o pedido, o mesmo será processado perante o Poder Legislativo e está dada a largada para o processo de impeachment de Carlos Moisés e da vice Daniela Reinehr.

Não há dúvidas que esse é um processo político que vai tramitar pelo procedimento jurídico. Moisés foi o maior erro que os catarinenses (nos quais me incluo cheio de arrependimentos) cometeram. Além deste fato específico, o governador cantor está sendo investigado pelas gravíssimas irregularidades na compra de respiradores, cuja falta está pondo em colapso a saúde do Estado no curso da pior crise de saúde da nossa história, que é a pandemia de Covid-19. O que também é objeto de outros pedidos de impedimento e de uma CPI que caminha a passos largos na direção de colocá-lo na linha de tiro por ter conhecimento dos fatos e até – ainda que carente de um aprofundamento investigatório mais seguro – participação direta nos mesmos.

A verdade é que Moisés deslumbrou-se com o mel que a vida lhe deu. Neófito no jogo político do qual é um off side, deslumbrou-se com o poder. Vestido de um colete laranja, com cara de pamonha e atitudes de um bobo da corte, não cumpriu no exercício do cargo, minimamente, o principal fundamento, que é a busca do diálogo com a sociedade, com as instituições e com a classe da qual passou a ser integrante. Arrogante, se pôs como imperador, agarrado aos agrados, mordomias e confortos do seu pequeno castelo de sonhos. Cercou-se de gente gulosa (alguns dos quais já na cadeia), vaidosos, chinelões prepotentes e deixou o Estado à deriva. E logo nós, que sempre fomos referência no gerenciamento de crises humanitárias, estamos passando essa tragédia de amplitude mundial sem comando e sem bussola, tudo indicando que teremos os piores indicadores dentre todos os Estados do país.

A Alesc deveria acatar o clamor popular, apurar o petiço e expurgar o mais rápido possível esta síntese de incompetências do cargo. Ante o sofrimento, a dor da morte de centenas de catarinenses, Moisés deveria ter, pelos menos, a grandeza cívica da farda que vestiu quando bombeiro e renunciar para nos poupar deste desgaste nessa hora trágica. Mas sua pequenez só vem confirmar o dito popular: “nada é tão ruim que não possa ficar pior”. Já passou da hora.

Texto escrito por LUIZ CARLOS NEMETZ

Luiz Carlos Nemetz é sócio fundador da Nemetz, Kuhnen, Dalmarco & Pamplona Novaes Advocacia. Atua na Gestão Estratégica e nas áreas do Direito Médico e da Saúde, Direito de Família e Direito Empresarial.

Especialista em Economia e da Empresa (pós-graduação) pela Fundação Getúlio Vargas, habilitação para Docência, bacharel em Direito pela Universidade Regional de Blumenau na turma de 1983.

Professor concursado de Direito Processual Civil e Direito Econômico da Universidade Regional de Blumenau (FURB), onde atuou por 17 anos. Professor das cadeiras de Direito das Coisas e Direito Processual Civil, Execuções, pela Faculdade Bom Jesus de Blumenau (FAE), no ano de 2009.

Notícias relacionadas

Deixe uma resposta

Últimas notícias

Blumenau confirma 203 novos casos de coronavírus somente nesta sexta-feira

Mais 203 casos de coronavírus foram registrados em Blumenau nesta sexta-feira (30), informou a Secretaria de Promoção da Saúde. Conforme os boletins...

Esporte: Um elenco desconhecido. Por Emerson Luis

Não significa que a falta de um ou outro medalhão implicará em um grupo limitado ou incapaz de conseguir o acesso. 

Unicesumar lança cursos na modalidade à distância e híbrido para atender novo mercado

A necessidade de isolamento social, devido à pandemia do novo coronavírus, acelerou uma tendência educacional que já estava em crescimento no Brasil:...

Cemitério Municipal de Gaspar terá horário ampliado no feriado de Finados

Para evitar aglomerações no feriado de Dia de Finados devido à pandemia da Covid-19, o Cemitério Municipal de Gaspar terá seu horário...

Prefeitura de Blumenau adota regime de plantão no feriado de Finados

A Prefeitura de Blumenau estará fechada na próxima segunda-feira, 2 de novembro, por conta do feriado de Dia de Finados. O atendimento...