Início Emerson Luis Esporte: "Uma vaga já é do Metropolitano", por Emerson Luis

Esporte: “Uma vaga já é do Metropolitano”, por Emerson Luis

Ouvi isso do presidente Valdair Matias. 

Mas a frase não é de sua autoria.  

É do empresário André Clarindo dos Santos.

O André Santos.

André Santos nos tempos de Flamengo. Foto: blogdobg.com.br

Paulistano de 37 anos, morador de Florianópolis, o ex-lateral de Figueirense, Flamengo, Corinthians, Arsenal e seleção brasileira, está próximo de ser o “novo dono” do Clube Atlético Metropolitano.

Foi assim que o site Futebol Interior se referiu à novidade no último dia 30 de março.   

Uma manchete, digamos, exagerada.

Até porque a gestão será compartilhada. 

A AS Sports 27 ficará responsável pela montagem do elenco.

Pagamento de salários de jogadores e integrantes da comissão técnica por sua conta.

Pretende injetar R$ 300 mil na Série B.

Na Copa Santa Catarina (se de fato ela for realizada ainda esse ano) outros R$ 225 mil. 

Contrato inicialmente de um ano e meio.

Não acredito que André Santos nesta conversa informal com os diretores teve intenção de desrespeitar algum adversário. 

Agiu corretamente.

Já disse para que veio.  

Tem de pensar grande mesmo.  

Com três vagas em jogo, o acesso passa a ser uma obrigação. 

Presidente do Metropolitano Valdair Matias. Foto: Câmara Blu

André Santos sabe a diferença de projeção e visibilidade de uma divisão para outra.

Fazer negócios na Série A é muito melhor do que na Série B.

Ganhar títulos e vender jogadores faz parte da estratégia de qualquer clube.

Não necessariamente nessa ordem.  

Business.

A salvação do endividado e desacreditado Metropolitano passa por esse tipo de parceria. 

Com gente do ramo.

André tem contato nos grandes clubes (no Corinthians, principalmente).

Deve montar um time competitivo e com qualidade.

Não vai querer queimar seu filme logo na estreia como cartola.

Eduardo Costa será o treinador: Foto: Internet

O mesmo vale para Eduardo Nascimento Costa.

37 anos, manezinho da Ilha.

O ex-volante de Avaí, Grêmio, Vasco e São Paulo será o treinador. 

A primeira experiência no banco foi no Lajeadense RS, em 2019.

Também tem trânsito nos bastidores.

Eduardo Costa em curso na CBF. Foto: Arquivo Pessoal

Depois de alguma insistência consegui um depoimento de André Santos. 

Mostrou cautela, naturalmente, porque nada ainda foi oficializado.

Mas está otimista com o trabalho que está por vir. 

Elogiou Blumenau. 

Afirmou que a empresa e seus parceiros enxergam com bons olhos o negócio.

Porque além do futebol, a cidade apoia o esporte, lembrou.

Citou futsal, vôlei, handebol e basquete como exemplos de incentivo – no caso específico do futebol não foram muito gente boa com ele.

Na sua visão, o clube tem estrutura para atingir o objetivo. 

Pediu, no entanto, a colaboração de todos.

De empresas e de torcedores para fortalecer o projeto.

Estádio da Baixada em Ibirama passou por reformas. Foto: Divulgação

Acompanhar o Metrô em Ibirama será para fortes.

A queda para a segundona, a proibição do Sesi e o distanciamento do clube com o sócio e o torcedor desanimaram muita gente.

Não jogar na própria cidade é constrangedor.

Pedir favor aos vizinhos (de novo) é humilhante.

Ibirama não era o plano A.

Indaial, sim.

Só que os valores com as reformas no estádio do XV de Outubro seriam de aproximadamente R$ 200 mil.

Assustado, recorreu ao Atlético Hermann Aichinger.

Que está sendo parceiro.

Vai pagar as obras exigidas pela FCF, sobretudo a ampliação do gramado, que agora terá as medidas oficiais.

Custo de R$ 60 mil.

Gramado precisou ser ampliado em nove metros. Foto: Divulgação

Mudanças que também vão contemplar o time grená na Série C deste ano, é verdade.

Mesmo assim, caso batesse o pé, Ayres Marchetti poderia simplesmente vetar.

A presença do blumenauense Giovani Nunes ajudou bastante nas tratativas.

É o braço direito do homem.

Antes de voltar para Ibirama, o filho do Vado Nunes era supervisor do Metrô.

Pediu a conta ano passado e foi reestruturar o clube.

Giovani Nunes. Foto: Atlético HA

O Alto Vale está sem futebol desde 2016 quando o Atlético pediu licença.

A participação do Metropolitano pode ajudar a recuperar o espírito do futebol profissional.

Todos os torcedores da região (que gostam muito de futebol) serão muito bem vindos.

Afinal, o Metropolitano vai precisar de renda.

Receitas e despesas do borderô serão de sua competência.

Se já dava prejuízo aqui, imagina lá.

Para usar a estrutura até dezembro, será preciso depositar R$ 40 mil (divididos em 4 parcelas).

Se a gente lembrar que R$ 10 mil eram pagos em apenas um jogo por aqui, até que foi um bom acerto.

A tabela já está pronta.

A bola não deve mais rolar a partir de 31 de maio.

Talvez um mês depois no cenário mais positivo.

Estou otimista.

O que me preocupa de certa forma é esse contrato com a AS Sports 27 que ainda não foi assinado. 

Por enquanto, a culpa é do corona 

.

Notícias relacionadas

Deixe uma resposta

Últimas notícias

Quarta-feira será de céu carregado e com chance de chuva em Blumenau

A previsão do tempo aponta a presença e variação de nuvens em Blumenau nesta quarta-feira (3), alternado por aberturas de sol e há condição...

Morre um dos motociclistas envolvidos em grave acidente na Rua Amazonas

Morreu no hospital um dos homens envolvidos no acidente de trânsito registrado na noite desta terça-feira (3) na Rua Amazonas, no bairro Garcia, em...

Colisão frontal entre motos deixa dois feridos graves no Garcia

Um acidente com duas motos deixou dois feridos graves por volta das 20h desta terça-feira (03) em Blumenau. O fato aconteceu na Rua Amazonas,...

Hospital de Gaspar tem mães e filhas internadas na UTI

No mês que comemora-se o Dia Internacional das Mulheres, Gaspar registra, pela primeira vez desde o início da pandemia, um fato que chama a...

Em Timbó, Samae inicia construção do maior reservatório de água da cidade

O Samae de Timbó iniciou nesta semana a construção do novo reservatório de água potável da cidade. Localizado na sede da Estação de Tratamento...