InícioEmerson LuisEsporte: Tudo parado - ou quase tudo, por Emerson Luis

Esporte: Tudo parado – ou quase tudo, por Emerson Luis

Comentário atualizado às 20h desta terça-feira (17) quando a Confederação Brasileira de Futebol (CBF) interferiu e pediu para que todos os estaduais fossem suspensos. Todas as modalidades coletivas de Blumenau também pararam de treinar.

Campeonatos Catarinense, Gaúcho, Carioca, Paulista, Paraense, Paranaense, Maranhense, Mineiro, Pernambucano, Rondoniense, Sergipano e Alagoano.

Copas do Brasil e do Nordeste.

Brasileiro Feminino.

Estão suspensos por 15 dias ou por tempo indeterminado.

Contrariando o bom senso, estão mantidos os estaduais no Acre, Amapá, Bahia, Ceará, Distrito Federal, Espírito Santo, Goiás, Pará, Paraíba, Piauí, Rio Grande do Norte e Roraima (onde entram muitos imigrantes).

Rodadas mantidas, alguns jogos com portões fechados, outros até com a presença da torcida.

Decisão com o consentimento dos presidentes dos clubes, diga-se de passagem.

A justificativa foi a falta de calendário.

Esqueceram que o futebol é um esporte de contato físico e de muitas expressões verbais.

O famoso tête-à-tête.

Não raro, os boleiros estão se estranhando.

Não sei até quando esse posicionamento vai se sustentar.

Acredito que os jogadores vão protestar como muitos fizeram no fim de semana.

O Grêmio foi um clube que reclamou bastante por conta da manutenção da rodada que passou.

Vasco (que não tem mais Abel Braga, que pediu pra sair), Botafogo, Flamengo, São Paulo e Palmeiras liberaram todos os atletas profissionais e da base.

O Santos fará isso a partir desta terça-feira (17).

Aqui no estado, Joinville e Tubarão dispensaram todo mundo.

Jorge Jesus ainda fará contraprova. Foto: Internet

Além disso, o Flamengo emitiu nota oficial sobre a situação do técnico Jorge Jesus, que no primeiro teste para o Covid 19, atestou positivo.

Alguns clubes ainda fecharam suas sedes sociais.

Vai ser um efeito cascata.

Renato Gaúcho criticou muito a decisão da FGF. Foto: Guilherme Testa

A determinação da Federação Catarinense de Futebol também afeta as categorias de base.

Decisão que vai prejudicar o bom início do Metropolitano com seu time Sub 17.

Foram duas vitórias de 2 x 0 na largada.

Contra o Hercílio Luz, em “casa”, em Apiúna, no campo do Aza Branca.

E em Itajaí, no gramado do Natalense, diante do Barra.

A próxima partida marcada para Lages, contra o Internacional, não tem data para acontecer.

A FCF ainda decretou que todos os seus colaboradores vão trabalhar de casa a partir de agora.

Time Sub 17 começou bem o estadual.

Falando ainda do Metrô, só que profissionalmente, André Santos (empresário) e Eduardo Costa (treinador) visitaram o CT Romeu Georg na tarde desta segunda-feira (17).

A dupla veio conhecer mais amiúde a estrutura no bairro Fidélis.

Também foram discutidos mais detalhes do contrato.

Nesta terça-feira (17), às 19h, diretoria e conselheiros vão se reunir para o possível batimento do martelo com gestão compartilhada.

Em tese, a Série B está prevista para iniciar dia 31 de maio.

O Metropolitano vai mandar seus jogos em Ibirama.

Estádio Hermann Aichinger em Ibirama. Foto: CAHA

Superliga de Vôlei, Campeonato Brasileiro de Basquete, Liga Nacional de Futsal.

Parou tudo.

Impacto direto nas cinco equipes de Blumenau que estão ou iriam participar de competições nacionais.

Após o adiamento da partida contra Maringá PR programada para o último sábado (14), o vôlei masculino da Apan concedeu folga aos atletas até o dia 22.

O vôlei feminino volta aos treinos amanhã (17) após o veto do confronto diante de São José dos Pinhais PR que também seria disputado no mesmo dia no Galegão.

O basquete masculino segue treinando normalmente para o Campeonato Brasileiro da segunda divisão apesar de não ter data para começar – a estreia seria na sexta-feira (20).

O mesmo se aplica ao basquete feminino e ao futsal masculino que continuam trabalhando, sem saber quando vão entrar em quadra oficialmente.

Futsal que fez amistoso sábado à noite (14) com a presença de público em Curitibanos.

Venceu por 4 x 3.

Estava agendada para esta noite uma reunião na Secretaria Municipal do Esporte (SME) para definir pela continuidade ou não das atividades das equipes.

Blumenau Futsal disputou amistoso em Curitibanos. Foto: Sara Dallamaria

Faço essa introdução informativa para lembrar que de fato é muito perigoso nesse momento ter aglomeração em ambientes fechados.

E que não existe nenhum atrativo em jogar qualquer competição com portões fechados.

Parafraseando Machado de Assis “é como beijar a irmã, não tem graça”.

No fim, o importante é se cuidar.

E me impressiona como as pessoas ainda estão ignorando os cuidados básicos de higiene.

Que deveriam ser executados sempre.

Diariamente.

Muitos julgam um atleta como intocável, um super-homem, imune a muitos problemas, entre eles de saúde.

Só que as doenças são democráticas.

Os caras são seres humanos como a gente.

Com uma desvantagem nesse momento: viajam muito.

O basquete de Blumenau, por exemplo, conta no elenco com um norte-americano.

Temos profissionais de outras modalidades que também vieram de várias regiões do país.

Não dá para brincar.

Bocha é uma das modalidades que deixam de ser praticadas. Foto: Marcelo Martins

No geral, sinto pela turma da melhor idade que participa de programas como os da Fundação Pró-Família (agora Secretaria da Família).

6.800 pessoas atingidas.

Em 89 polos.

Distribuídos em 29 bairros.

46 atividades afetadas.

Muitas ligadas ao esporte.

Tudo parado até segunda ordem.

Senhoras e senhores saudáveis que vão deixar de praticar bocha, câmbio (regras adaptadas do vôlei), caminhada, ginástica, hidroginástica, musculação (em parceria com a academia do 23 BI), tai chi chuan…

Imagina o impacto que isso causa na rotina dessas pessoas?

É o público mais vulnerável e por extensão o que mais necessita de cuidado.

Sessão de hidroginástica na Fundação Pró-Família. Foto: Marcelo Martins

Notícias relacionadas

Deixe uma resposta

Últimas notícias

error: Toda e qualquer cópia do Portal Alexandre José precisa ser creditada ao ser reproduzida. Entre em contato com a nossa equipe para mais informações pelo e-mail jornalismo@alexandrejose.com