InícioEmerson LuisEsporte: Arena Multiuso em Blumenau. Já passou da hora, por Emerson Luis

Esporte: Arena Multiuso em Blumenau. Já passou da hora, por Emerson Luis

É possível, sim, ampliar a quadra do Ginásio Sebastião Cruz.

Torná-la com as medidas oficiais 40×20.

A redução de espaço na arquibancada seria de 30%.

300 lugares a menos.

Hoje são 3.063 cadeiras.

Ginásio Sebastião Cruz em um jogo de basquete. Foto: Divulgação

Custaria de R$ 10 milhões a R$ 12 milhões.

Um exagero.

O poder público não vai investir.

Sou obrigado a concordar.

Se é para continuar pensando pequeno não vale a pena mesmo.

Deixa como está, então.

O Galegão é de fato singular, único, central, mas tem suas limitações.

Alguém com visão profissional e de negócios sabe que o ideal é investir em uma arena multiuso.

Em outro local.

Já passou da hora.

Ginásio Sebastião Cruz. Foto: Divulgação

O Galegão, no fim, parece ser uma questão de tempo, será concedido à iniciativa privada.

Autoridades juram que as modalidades não serão afetadas.

Nossas equipes vão continuar usando a estrutura em competições nacionais.

As que conseguem jogar lá.

Na avaliação do Executivo, existem dificuldades na conservação e manutenção do patrimônio.

Exemplo:

A sede da Secretaria Municipal do Esporte (SME) não é no próprio ginásio.

Paga-se aluguel em um prédio que fica no outro lado da rua.

Atual prédio da Secretaria Muncipal de Esporte: Foto: Divulgação

No passado, tudo se concentrava na Comissão Municipal de Esportes (CME), extinta pelo município em 1989.

Salas para diretores, técnicos, alojamento para atletas, almoxarifado, espaço para troféus…

Antiga CME. Foto: Divulgação

A propósito, a implantação do Museu do Esporte caiu no esquecimento.

Deveria ser no Galegão.

Muita coisa se perdeu nas enchentes, é verdade.

Mesmo assim, uma cidade que se orgulha tanto de suas façanhas no esporte amador, que é obcecada em ganhar os Jogos Abertos, não tem um local adequado para exibir suas vitórias.

Conquistas que poderiam até ser exploradas turisticamente.

Maquete original do Ginásio Sebastião Cruz. Foto: Acervo Museu Egon Belz

O projeto original do Ginásio Galegão de 1967 do arquiteto Egon Belz era maravilhoso.

Só que a reforma iniciada em 2007 (quando o ex-atleta de vôlei e atletismo foi colaborador) manteve apenas 50% do que estava previsto.

Belz faleceu antes da reinauguração (que foi em maio de 2008) e não teve a oportunidade de ver concluído o trabalho (incompleto) que tanto defendeu. 

Egon Belz. Foto: Acervo Museu Egon Belz
Ramiro Ruediger. Foto: Arquivo Histórico José Ferreira da Silva

Egon Belz e Ramiro Ruediger eram esportistas apaixonados e visionários.

E estavam bem cercados.

Com profissionais capacitados tecnicamente e não indicados politicamente.

Os dois queriam criar nessa ampla área que compreende as ruas Humberto de Campos e Alberto Stein algo parecido com um Centro Olímpico.

Nunca é demais lembrar que o futebol de salão dos Jogos Abertos de 1979 foi disputado na Famosc – antiga Proeb, atual Vila Germânica.

A dupla projetou a construção de um estádio municipal onde foi construído o Parque Ramiro.

Um local estratégico.

Projeto anterior àquele da maquete do ex-prefeito Renato Vianna, que previa um Estádio Regional no Aterro Sanitário, no bairro Salto do Norte.

Área que contempla Parque Ramiro Ruediger. Foto: Giovanni Silva

O Parque Ramiro é uma benção em uma cidade com parcas áreas de lazer.

No contexto geral dessa foto (acima) de 2011 do colega Giovanni Silva, dá para ver o que mudou de lá pra cá.

Se o olhar for radical veremos o Galegão como um estranho no ninho.

Esses dois terrenos que aparecem no final da foto (atrás do Fórum) eram utilizados pelo atletismo.

Abandonados, o mato tomou conta e os equipamentos se deterioraram.

Serviram de estacionamento na Oktoberfest por um tempo.

Depois viraram em definitivo rua com edifícios comerciais.

Onde hoje funciona a Fundação Pró-Família tínhamos o Ginásio Linguição, local de treinamento das equipes.

Bem ao lado, no terreno que as vezes serve de estacionamento para eventos no Galegão e Vila Germânica será construído o Centro de Convenções.

Ginásio Sebastião Cruz antes da reforma de 2007. Foto: Divulgação

Se não houver mesmo impacto no esporte, entendo que a proposta de arrendar o Galegão é bem-vinda, desde que sejam feitas algumas reformas.

Nosso ginásio municipal não tem condições de receber grandes espetáculos.

Tem só três vestiários (um para a arbitragem).

É um local muito mal aproveitado.

Vou pegar pesado, mas não temos condições de sediar um evento internacional de MMA.

Jaraguá do Sul tem.

Arena Jaraguá em um evento de UFC. Foto: Divulgação

Em maio de 2013, a Arena Jaraguá recebeu o UFC.

Pela primeira vez fora de uma capital.

13 lutas.

Na principal delas Vitor Belfort nocauteou no primeiro round o norte-americano Luke Rockhold.

Em 2014 a atração foi Lyoto Machida.

As atenções do mundo das Artes Marciais Mistas se voltaram para a pujante Jaraguá do Sul.

Seiscentas (600) pessoas trabalharam só na organização.

Não há necessidade de contextualizar.

Não precisamos de uma arena gigante como a de Jaraguá, que tem capacidade para 8.500 lugares (que pode dobrar em shows musicais).

O custo estimado na época da inauguração, em 2007, foi de R$ 17 milhões.

Luiz Henrique da Silveira era o governador.

Arena Jaraguá foi inaugurada em 2007. Foto: Divulgação

Tubarão nos serve como referência.

Financeira e politica.

Ergueu sua arena em 2016.

Para 5 mil pessoas.

Arena Multiuso de Tubarão. Foto: Prefeitura de Tubarão

Custo: R$ 20 milhões.

Parceria entre Prefeitura e Governo.

Setenta (70%) por cento da verba do estado.

E trinta (30%) de contrapartida do município.

Arena Multiuso de Tubarão. Foto: Prefeitura de Tubarão

Os detalhes da negociação estão aqui.

Arena Multiuso de Tubarão. Parceria entre Governo e Município. Foto: Prefeitura de Tubarão

O Centro de Convenções é um sonho acalentado e atrasado da nossa cidade.

O tema se arrasta há anos.

O governador Carlos Moisés prometeu liberar R$ 28 milhões para a sua execução, conforme matéria exibida no nosso Portal.

Projeto original do Centro de Convenções vai passar por readequação. Foto: Prefeitura de Blumenau

Parabéns aos envolvidos.

Que definitivamente saia do papel.

Sabemos que o esporte nunca foi prioridade.

Mas já passou da hora de brigar por uma arena multiuso.

Para se pensar em grandes eventos.

Para não dependermos só da Vila Germânica.

Nossa última grande obra esportiva foi a reforma do Galegão, justamente com a ajuda de Luiz Henrique da Silveira, que comandou o estado de 2003 a 2010.

Que costumava encerrar seus discursos na cidade onde nasceu com a seguinte expressão:

“Viva Blumenau”.

Se vivo estivesse, talvez seu lema seria:

“Acorda Blumenau”!

Notícias relacionadas

Deixe uma resposta

Últimas notícias

    error: Toda e qualquer cópia do Portal Alexandre José precisa ser creditada ao ser reproduzida. Entre em contato com a nossa equipe para mais informações pelo e-mail jornalismo@alexandrejose.com