Caso Jaguar: Evanio Prestini tem mais um pedido de liberdade negado

Publicidade

Foto: Marcos Fernandes / Portal Alexandre José

O Tribunal de Justiça de Santa Catarina (TJSC) negou mais uma vez o pedido de liberdade de Evanio Prestini. O motorista do Jaguar acusado de ter matado duas jovens, Suelen Hedler e Amanda Grabner, e ainda ferir outras três, permanecerá no Presídio Regional de Blumenau até o dia do júri popular. Evanio dirigia o veículo importado embriagado e se envolveu no acidente com o Pálio onde estavam as vítimas. A batida ocorreu na BR-470, em Gaspar, em 23 de fevereiro.

No julgamento, que ocorreu na tarde desta quinta-feira (11), o desembargador Sidney Eloy Dalabrida, que havia pedido vista do processo em junho, votou a favor da liberdade do réu. Dalabrida posicionou-se pela liberdade de Evanio mediante aplicação de medidas cautelares, pois entendeu que as provas colhidas não demonstram sua periculosidade e os possíveis riscos podem ser controlados com sanções alternativas. Mas por dois votos contrários, dos desembargadores Alexandre d’Ivanenko e José Everaldo Silva, Prestini continuará na cadeia.

Nesta semana, o Portal Alexandre José trouxe em primeira mão, a informação que os advogados de Evanio contrataram uma perícia para analisar se a principal testemunha do acidente estava próxima do local da batida. Segundo os dados do perito particular, o motorista do ônibus de viagem de uma empresa com sede em Blumenau, o condutor estaria a 3,7 km de distância.

Motorista vai a júri popular

No dia 06 de junho, a juíza Camila Murara Nicoletti anexou a sentença de pronúncia ao processo indicando que Evânio Wylyan Prestini deve responder por dois homicídios e três tentativas de homicídio no Tribunal do Júri. O laudo do Instituto Geral de Perícias (IGP) apontou que o motorista do Jaguar estava a 92,3 km/h no momento da colisão. Minutos antes da batida, o carro foi filmado ziguezagueando em trechos da rodovia.

Duas passageiras do Pálio perderam a vida. Suelen Hedler da Silveira, de 21 anos, morreu no local da batida. Amanda Grabner Zimmermann, de 18 anos, chegou a ser levada ao hospital, mas não resistiu aos ferimentos. Outras duas garotas ficaram feridas. O condutor do Jaguar dirigia sob efeito de álcool. O teste de alcoolemia apontou 0,72mg/l.

PUBLICIDADE

 

Seja o primeiro a comentar

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: