Caso Jaguar: advogados de Evânio tentam intimidar a principal testemunha do acidente

Publicidade

Foto: Divulgação / Corpo de Bombeiros

Um novo documento foi anexado nesta segunda-feira (24) ao processo que apura as responsabilidades do acidente ocorrido no dia 23 de fevereiro deste ano, na BR-470 em Gaspar, envolvendo dois carros, que resultou na morte de duas jovens. Hoje, o Ministério Público atualizou as informações do caso, alegando que a principal testemunha teria sido intimidada pelos advogados de defesa do motorista do Jaguar, Evânio Wylyan Prestini.

Em sua declaração, a promotora de Justiça Andreza Borinelli afirma que “a testemunha presencial dos fatos, arrolada pela acusação, compareceu nesta data no Fórum da Comarca de Gaspar, e relatou que após a sentença de pronúncia proferida, foi procurada por advogados do réu, os quais tinham por objetivo intimidá-lo para que mudasse o teor do seu depoimento já prestado”, descreveu.

O fato teria sido comprovado através de mensagens de aplicativo de celular (WhatsApp), fotos e um vídeo entregues pela testemunha ao Ministério Público. A testemunha disse que foi procurada na sua casa, no município de Barra Velha, e também em um hotel na cidade de Jaraguá do Sul, no Norte do estado. Além disso, os defensores do réu estiveram na empresa que o homem trabalha.

Ainda segundo o documento, a testemunha identificou os advogados Edson Rodrigues da Cruz e Gilmar Krutzsch, este último constituído como defensor do réu. “O Ministério Público não compactua com qualquer tipo de depoimento que não seja verdadeiro, contudo, caso a defesa possua alguma prova de que a testemunha tenha faltado com a verdade em seu depoimento, deve juntá-la aos autos e não procurar a testemunha da forma como fez”, escreveu a promotora.

Por fim, o Ministério Público “manifesta-se pela manutenção da segregação cautelar do réu também sob o fundamento da conveniência da instrução criminal e requer a atualização das informações prestadas ao Tribunal de Justiça de Santa Catarina (TJSC) no habeas corpus que será julgado na próxima quinta-feira (27), em Florianópolis, no qual a defesa pede a liberdade do condutor que dirigia embriagado.

Motorista vai a júri popular

No dia 06 de junho, a juíza Camila Murara Nicoletti anexou a sentença de pronúncia ao processo indicando que Evânio Wylyan Prestini deve responder por dois homicídios e três tentativas de homicídio no Tribunal do Júri. O laudo do Instituto Geral de Perícias (IGP) apontou que o motorista do Jaguar estava a 92,3 km/h no momento da colisão. Minutos antes da batida, o carro foi filmado ziguezagueando em trechos da rodovia.

Duas passageiras do Pálio perderam a vida. Suelen Hedler da Silveira, de 21 anos, morreu no local da batida. Amanda Grabner Zimmermann, de 18 anos, chegou a ser levada ao hospital, mas não resistiu aos ferimentos. Outras duas garotas ficaram feridas. O condutor do Jaguar dirigia sob efeito de álcool. O teste de alcoolemia apontou 0,72mg/l.

PUBLICIDADE

 

1 Comentário em Caso Jaguar: advogados de Evânio tentam intimidar a principal testemunha do acidente

  1. Só faltava essa!! Evanio tem que pagar pelo que fez isso sim!! Cada vez mais indignada com a justiça brasileira onde o dinheiro fala mais alto!

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: