Perícia conclui que Jaguar estava a 92,3 km/h no momento do acidente na BR-470

Publicidade

Foto: Especial / Jornal Metas

Foi concluído o laudo pericial solicitado pela Justiça no Jaguar, veículo que se envolveu em um acidente na BR-470, em Gaspar, resultando na morte de duas jovens no dia 23 de fevereiro. O procedimento foi realizado no dia 15 de abril em um pátio, em Indaial, para onde o automóvel apreendido pela Polícia Rodoviária Federal foi levado após a batida.

Conforme o documento, agora anexado ao processo, o laudo tem como objetivo responder o questionamento do Ministério Público e da defesa de Evanio Wylyan Prestini, motorista do importado, para saber qual a velocidade do veículo no momento da batida. Os dados, de acordo com a perícia, apresentam informações de leituras de diversos sensores presentes no carro e que mostram como ele se comportava na estrada nos últimos cinco segundos antes do acidente.

Foi verificado, portanto, que o Jaguar estava a 92,3 km/h no momento da colisão com o Pálio. Foi neste instante que os air bags e pré-tensionadores de cintos de segurança foram acionados. Ainda de acordo com o documento, é possível verificar que meio segundo antes do impacto, o carro estava a 102,15 km/h. A perícia comprovou também que 5 segundos antes da colisão, o automóvel trafegava a 111,03 km/h na rodovia federal, indicando que houve uma pequena desaceleração.

Vale ressaltar que a BR-470 possui velocidade máxima permitida de 80 km/h. De acordo com a especialista em trânsito, Marcia Pontes, Evanio cometeu uma infração a trafegar a 111,03 km/h. “Conforme o artigo 218, inciso 2, do Código de Trânsito Brasileiro, transitar em 20% a 50% acima do permitido na via é infração grave. Com os dados técnicos é possível afirmar que ele estava em alta velocidade antes mesmo da batida,” explica.

Para chegar a esta conclusão, o perito do Instituto Geral de Perícias (IGP), juntamente com um representante da revendedora do automóvel, usou um equipamento que faz a leitura eletrônica dos dados do Jaguar modelo F-Pace. As informações coletadas foram transferidas, via internet, para a fábrica da empresa que fica na Inglaterra. Desta forma, foi possível obter os dados com mais precisão.

Motorista continua preso

O motorista, Evanio Wylyan Prestini, está preso desde o dia do acidente, que foi registrado por volta das 6h do dia 23 de fevereiro. Durante o depoimento do condutor do carro importado no último dia 23, no Fórum de Gaspar, ele assumiu que ingeriu bebida alcoólica horas antes da batida. Porém, ele alegou que não lembra do momento da colisão.

Nesta segunda-feira (27), venceu o prazo para as alegações finais do Ministério Público. Na terça-feira (28), a defesa do réu apresenta suas alegações finais e, depois de analisar todo o material , o juiz Lenoar Madalena deve decidir duas questões muito importantes.

A primeira delas é se Evanio será julgado pelo crime de homicídio doloso ou culposo e, consequentemente, se ele vai a júri popular ou não. A segunda questão é se o acusado permanece preso ou se responde o processo em liberdade, cumprindo medidas cautelares. A decisão deve sair na quarta-feira (29).

No dia do acidente na BR-470, Suelen Hedler da Silveira, de 21 anos, morreu no local da batida. Amanda Grabner Zimmermann, de 18 anos, chegou a ser levada ao hospital, mas não resistiu aos ferimentos. Outras duas garotas ficaram feridas. O condutor do Jaguar dirigia sob efeito de álcool. O teste de alcoolemia apontou 0,72mg/l.

PUBLICIDADE

 

Seja o primeiro a comentar

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: