Aulas suspensas na ONG São Roque por causa da greve dos funcionários

Publicidade

Foto: Especial / Portal Alexandre José

Cerca de 170 crianças matriculadas na ONG São Roque, localizada na Itoupava Norte, em Blumenau, estão sem atendimento por causa da greve dos funcionários da entidade. O movimento começou no dia 1º de fevereiro e segue por tempo indeterminado. Os trabalhadores não receberam o salário de dezembro de 2018 e ganharam apenas 30% do valor referente às férias.

Antes de paralisar, os 23 funcionários da organização não governamental avisaram os pais dos alunos através de cartazes e conversas, com 48 horas de antecedência, que não haveria mais atendimento aos alunos de zero a 15 anos. A grande maioria das professoras não tem mais vale-transporte para se deslocar de casa até o trabalho.

O presidente da ONG, Carlos Alberto Geworowski, alega que os pagamentos não foram efetuados porque a entidade teve a conta bancária bloqueada pela Justiça, em razão de um processo movido por um grupo de nove ex-funcionárias há mais de três anos, quando havia outra diretoria. Um deles já está em fase de execução, no valor de R$ 40 mil.

Sem poder fazer qualquer movimentação financeira, estão em atraso, além da folha de pagamento, as contas de água, luz, telefone e impostos. O valor da dívida ultrapassa o montante de R$ 87 mil. Agora, a atual gestão corre contra o tempo para reverter a decisão judicial e quitar as contas em aberto, dando prioridade aos salários dos empregados.

A ONG São Roque tem 38 anos de história. A entidade se mantém com repasses mensais da Prefeitura de Blumenau e do Governo Federal – que estão todos em dia – além doações da comunidade, mas os recursos não são suficientes para cobrir todas as despesas da casa, que oferece aulas em período integral de forma gratuita.

PUBLICIDADE

 

Seja o primeiro a comentar

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: