Conta de luz ficará 13,85% mais cara em Santa Catarina

PUBLICIDADE

Foto: Especial/Portal Alexandre José

A Agência Nacional de Energia Elétrica, ANEEL, anunciou nesta segunda-feira (13) o valor do Reajuste Tarifário Anual da Celesc Distribuição. Foram apresentadas as novas tarifas de energia elétrica na área de concessão da Empresa. O Efeito Tarifário Médio, a vigorar a partir de 22 de agosto, será de 13,86%.

Para os consumidores residenciais atendidos em Baixa Tensão, o chamado Grupo B, que representa 78% dos consumidores da Celesc, o efeito médio a ser percebido do Reajuste será de 13,15%. Já para os consumidores atendidos em Alta Tensão, como indústrias e unidades comerciais de grande porte como Shoppings, o chamado Grupo A, o efeito médio será de 15,05%.

De acordo com a Aneel, os itens que mais impactaram no cálculo do reajuste tarifário foram a elevação do custo com os Encargos Setoriais, que sofreram variação de 21,44% entre agosto de 2017 e julho de 2018 (ciclo tarifário da Empresa), e o custo com a compra de energia, que sofreu variação de 11,06% no mesmo período. Esses valores representam, respectivamente, 4,77% e 5,08% na composição do Efeito Médio de 13,86%.

Também se destacam os componentes financeiros, em sua maior parte relacionados a despesas com compra de energia realizadas no ciclo tarifário anterior que ultrapassaram a cobertura tarifária prevista para o período, especialmente por conta do maior uso de geração térmica. Na composição do efeito médio de 13,86%, o item corresponde ao montante de 7,48%.

Já os valores referentes ao custeio dos serviços de distribuição, que equivalem a 13,6% do total da nova tarifa, e que são efetivamente gerenciados pela Celesc para a ampliação, operação e manutenção do sistema elétrico, além das despesas operacionais da Empresa, variaram apenas 1,86% e contribuem com 0,37% para o efeito médio do reajuste aferido pela Aneel

Reajuste x Inflação

No período de 2010 a 2018, o percentual da variação acumulado da tarifa residencial foi de 60,14% contra uma inflação de 62,75% para o IGP-M e 62,68% para o IPCA, indicador utilizado para a atualização dos custos operacionais da Distribuidora.

Reajuste Tarifário Anual é um dos mecanismos de atualização do valor da energia paga pelo consumidor de acordo com fórmula prevista no contrato de concessão. O seu objetivo é restabelecer o equilíbrio econômico-financeiro da concessionária.

PUBLICIDADE

 

Seja o primeiro a comentar

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

%d blogueiros gostam disto: