Segundona pega fogo! Por Emerson Luis

PUBLICIDADE

Foto: Bruno Vicentainer

NOVIDADE
Há tempos, a competitividade da Série B estava limitada a Camboriú, Fluminense, Marcílio Dias e Metropolitano – os times de melhor campanha. Todavia os tropeços em casa de Marcílio Dias e Fluminense, para Juventus e Barroso respectivamente e o empate entre Camboriú e Metropolitano, combinado com a vitória do Blumenau diante do Barra, deixaram essa reta final bem interessante.

OBJETIVO
Só acompanhei o Metropolitano pelo rádio. Logo, não tenho como ampliar meu ponto de vista técnico e tático. Pelo que escutei durante a transmissão da Nereu, diante da iminência de um jogo truncado, a equipe entrou em campo no Roberto Santos Garcia disposta a voltar com um ponto – e conseguiu. O problema é que recuou demais no segundo tempo, relataram, tanto é que tomou o gol da igualdade aos 37 minutos.

INDEPENDENTE
Foi um ponto extremamente importante porque o Metropolitano continua só dependendo de sua capacidade para ser o campeão do returno, o que lhe garante o direito de mandar o segundo jogo da semifinal no Sesi.

VANTAGEM
Se terminar em primeiro lugar na classificação geral, melhor ainda, já que a partida de volta da decisão (com o acesso garantido) também será diante da sua torcida. Nesse caso, tem de fazer a sua parte e ainda torcer por um novo tropeço do Camboriú que tem três pontos a mais (29 a 26). Também precisa secar Fluminense (28) e Marcílio Dias (27).

Foto: Bruno Vicentainer

TITULAR
Conforme previ na coluna do fim de semana (https://alexandrejose.com/2018/07/28/ari-moura-tem-substituto-no-metro-o-bec-ainda-sonha-por-emerson-luis/), Ari Moura fez muita falta em Camboriú. Sigo com meu ponto de vista: não há ninguém no elenco com suas características e virtudes.

PROJEÇÃO
No fim, a estratégia adotada pelo departamento de Futebol (evitar que contraísse uma lesão muscular ou ficasse fora de jogos ainda mais decisivos) foi acertada.

SUSPENSÃO
Por falar em cartão, Palhinha está fora do jogo contra o Barra, na próxima quarta-feira (1) às 15h10 em Itajaí. Voltou depois de seis rodadas ausente e recebeu o terceiro amarelo.

SUSPENSÃO
Perguntei ao repórter Marciano Régis se o cartão de Palhinha foi proposital. Ele acredita que não, pois o experiente meio-campista precisa de ritmo de jogo. Marciano acredita que o próximo a ser preservado é o zagueiro Douglas Silva que participou de todos os 15 jogos.

AMEAÇADO
Estou curioso quanto ao procedimento que será usando com Bruninho, que está pendurado. Se a ideia era ter o baixinho inteiro diante do Marcílio Dias, e claro para a fase derradeira, poderia-se ter forçado o cartão em Camboriú. Talvez receba no Camilo Mussi.

SURPRESA
Essa expectativa dos semifinalistas aumentou depois da vitória do Blumenau sobre o Barra por 2 x 0. Mais entrosado, o adversário de Balneário Camboriú até teve mais posse de bola, criou as melhores chances, só que abusou do jogo aéreo por conta do biotipo dos seus jogadores. Foi um domínio que se costuma chamar de estéril.

SUPERAÇÃO
Não dá para tirar os méritos do BEC. Diante de tantos desfalques, jogou outra vez no limite. Sem centroavante fixo (Negreiros e Afonso machucados), Viton improvisou o volante Sérgio Alan como falso 9 – sobretudo no primeiro tempo. Mesmo inferior, a equipe foi decisiva na hora H.

GÁS
Esse crescimento não é por acaso. Um preparador físico (Rafael Carvalho) foi contratado. Com 15 dias de trabalho já é possível ver um time inteiro, organizado, que não confunde pressa com velocidade. Contra o Barra, correu o tempo todo, bem diferente de algumas partidas no turno, onde se arrastou.

REFORÇOS
Além disso, o clube trouxe jogadores cascudos como o lateral direito Paulo Roberto (que também joga como atacante) e o segundo volante Jean Carlos (vem atuando como meia). É impressionante a qualidade que esse atleta tem dado ao meio campo.

MEIUCA
Acrescente a esse setor, Bruno Sena, um líder natural, um carrapato (que às vezes abusa da disposição, tanto é que toma cartões em excesso), o próprio Sérgio (um cara lento, porém técnico), Ruhan (o motorzinho do time, bastante regular) e ainda Juninho (que vive grande fase, tanto é que já foi na rede seis vezes).

ESTERILIDADE
O problema está no ataque. Além da ausência dos centroavantes citados, Maranhão (homem de velocidade) também segue no DM e Lucas Vaz está muito longe daquele velocista artilheiro e participativo de 2017. Tanto é que amarga o banco.

PLANO
Se Viton antes de mais nada conseguir a façanha de repetir a escalação, segurar a pressão e vencer o Fluminense (quarta-feira, às 20h10, no Sesi), pode botar ainda mais lenha na fogueira.

AZARÃO
Continuo achando difícil chegar entre os quatro. Além de fazer a sua parte, ter de torcer contra os outros é sempre complicado. Só que os números estão aí, os favoritos vem perdendo pontos preciosos e, principalmente, não dá para ignorar a ascensão do Blumenau.

“DECISÃO”
O BEC é a surpresa, a zebra nesse momento, o improvável campeão da segunda fase…De todo modo, o clássico de 8 de agosto já mexe com a imaginação de muita gente e não é só pelo preço do ingresso

PUBLICIDADE

 

Seja o primeiro a comentar

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

%d blogueiros gostam disto: